Coca-cola retirada das lojas por ameaça de contaminação

Grupo anarquista “Némesis Verde” diz ter injetado cloro e ácido clorídrico em diversos produtos das multinacionais Coca-Cola, Unilever e Nestlé na região de Ática. Produtos foram retirados de circulação.

O grupo Federação Anarquista Informal anunciou que contaminou bens alimentares das multinacionais Coca-Cola, Unilever e Nestlé na região de Atenas, com ácido clorídrico e cloro.

A ameaça designada por Projeto Némesis Verde – Ato 2, do grupo anarquista, responsável pela explosão da bomba nas instalações do partido neonazi Aurora Dourada, em Atenas, e pela carta armadilhada que se incendiou na triagem postal da capital grega em julho de 2013, comunicou que a comida embalada e os refrigerantes produzidos pelas empresas nomeadas tinham sido retirados das “maiores cadeias de supermercados na zona da grande Atenas” e seriam devolvidos, entre hoje e dia 5 de janeiro, contaminados.

“O objetivo operacional é sabotar as companhias acima mencionadas, obrigando-as a retirar na totalidade os seus produtos durante duas semanas, não envenenar nenhum inocente”.

As multinacionais levaram a sério a ameaça de envenenamento e retiraram os seus produtos das prateleiras das lojas, avançando em comunicado conjunto que, “após consulta com as autoridades competentes”, decidiram tomar medidas que visassem a “remoção preventiva” de vários produtos “de todos os pontos de venda de Ática”, região onde fica Atenas.

Entre esses produtos estão o molho de Salada Caesar da Hellmann”s, o ice tea da Nestea, a Coca-Cola Light, o molho de tomate da Heinz e outras bebidas, onde se inclui o leite.

A Delta, apesar de não fazer parte do aviso, tomou as mesmas medidas que as restantes multinacionais.

A Autoridade Alimentar Grega adiantou ontem que estava a trabalhar em conjunto com a polícia para garantir a proteção dos consumidores, afirmando que “esta ameaça não se materializará”, salientando as consequências financeiras das empresas envolvidas na ameaça.

O Projeto Némesis Verde já tinha tentado uma manobra semelhante em 2014, justificando os seus atos com uma mensagem publicada online.

“Na China, a Coca-Cola coopera com o regime e lucra com o trabalho forçado, no qual são usados detidos que são obrigados a trabalhar dentro da prisão. Além disso, é uma das 12 maiores empresas poluentes no país no que diz respeito ao ambiente”, defendiam, explicando como podiam adulterar uma garrafa de Coca-Cola sem a abrir.

Recomendadas

Startup de biotecnologia alemã angaria 8,5 milhões e vai recrutar em Portugal (com áudio)

“Os produtos da MicroHarvest vão ter várias aplicações, entre as quais, por exemplo, como um ingrediente para as rações de aquacultura”, garante o investidor Carlos Esteban, da sociedade portuguesa Faber.

Estes são os finalistas do Prémio Empreendedorismo e Inovação do Crédito Agrícola

Vegan Bio Foods, Portugal Bugs e Ethical Meat destacaram-se na categoria de Alimentação. Saiba quais são os restantes candidatos a vencedores dos prémios anuais do banco.

Restaurant Brands Iberia notifica Autoridade da Concorrência da compra da Burger King

A notificação da operação de concentração de empresas foi efetuada a 8 de agosto e dá conta da aquisição pela RBI do controlo exclusivo sobre a Iber King Restauração e sobre a Lucra, detidas pelo grupo Ibersol, e sobre um conjunto de estabelecimentos que operam em Portugal e Espanha sobre a marca Burger King.
Comentários