Cofina admite lançar OPA à Media Capital

Sobre os moldes do negócio, a Cofina “prevê adquirir à Prisa a totalidade do capital social na Vertix, SGPS, S.A. (“Vertix”), sociedade comercial através do qual a Prisa detém ações representativas de 94,69% do capital social e dos direitos de voto da Media Capital, ao invés de proceder diretamente à aquisição da participação na Media Capital.

A Cofina esclareceu esta sexta-feira a CMVM sobre as negociações para adquirir a Media Capital em virtude da suspensão de negociações das ações do grupo de comunicação e indicou que admite lançar uma OPA à Media Capital. “Caso as negociações com a Prisa sejam concluídas com a celebração de um contrato de compra e venda, a Cofina procederá simultaneamente à divulgação de um anúncio preliminar de oferta pública de aquisição sobre as ações remanescentes da Media Capital”, pode ler-se no comunicado.

“A Cofina e a Prisa encontram-se atualmente a negociar, em regime de exclusividade que vigora durante um período de 30 dias, que pode ser prorrogado por vontade das partes, os termos e condições de uma potencial aquisição, pela Cofina, da participação da Prisa na Grupo Media Capital SGPS, S.A. (“Media Capital”)”, realça a Cofina no comunicado remetido esta sexta-feira à CMVM.

Sobre os moldes do negócio, a Cofina “prevê adquirir à Prisa a totalidade do capital social na Vertix, SGPS, S.A. (“Vertix”), sociedade comercial através do qual a Prisa detém ações representativas de 94,69% do capital social e dos direitos de voto da Media Capital, ao invés de proceder diretamente à aquisição da participação na Media Capital”. De resto a Cofina indica que, neste contexto, está a rever documentação para “concretizar definitivamente o objeto do negócio e, correspondentemente, a respetiva avaliação”.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) anunciou na passada quarta-feira à tarde que suspendeu a negociação das ações da Cofina. O conselho de administração do regulador dos mercados impediu a empresa que detém o “Correio da Manhã” e o “Jornal de Negócios” de manter os seus títulos a negociar na Bolsa de Lisboa pouco tempo depois de vir a público que o grupo de comunicação social irá comprar a TVI.

 

 

Relacionadas

PremiumCofina quer ganhar escala com compra da Media Capital

Fusão daria origem ao maior grupo do setor em Portugal, com receitas superiores a 270 milhões. Mas alguns ativos poderão ser vendidos.

Prisa confirma negociações “em regime de exclusividade” com Cofina pela Media Capital

A Prisa e a Cofina encetaram conversações no final de julho para uma possível compra da participação do conglomerado de media espanhol na Media Capital por parte da holding detida por Paulo Fernandes. As negociações estão, oficialmente, confirmadas por ambas as partes.

Cofina confirma que “estão a decorrer negociações” com a Prisa

Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa indica que as negociações dizem respeito “à potencial aquisição da participação da Prisa no Grupo Media Capital”.
Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários