PremiumColetes Amarelos ameaçam bloquear auto-estradas e fronteiras

“Coletes amarelos” prometem fechar estradas nesta sexta-feira. PSP e GNR reforçam segurança na Ponte 25 de Abril e em portagens de auto-estradas. Protestos estendem-se a Vilar Formoso. Transportadores afirmam estar “solidários” com movimento.

As manifestações “Vamos parar Portugal como forma de protesto” estão marcadas para esta sexta-feira, 21 de dezembro, em várias cidades do país, ameaçando fechar estradas, pontes e fronteiras. Os protestos levaram ao maior destacamento de sempre de forças de segurança para assegurar o respeito pela lei e a ordem pública: só a PSP terá na rua cerca um contigente inédito de cerca de 20 mil polícias. Os pontos críticos para reforço de segurança foram identificados: pontes 25 de Abril, Vasco da Gama e da Arrábida, bem como portagens de Alverca (A1), de Loures (A8) e acessos às cidades do Porto (A28/A3/A4), de Braga (A3/A11) e de Aveiro (A25/A17), para além da fronteira com Espanha, em Vilar Formoso. Segundo o porta-voz da GNR, esta força de segurança “irá prestar particular atenção, entre outros, aos acessos às áreas metropolitanas de Lisboa e Porto”.

As redes sociais, principalmente o Facebook e o WhatsApp, foram a plataforma usada por grupos de cidadãos de todo o País para criarem vários movimentos inspirados nos “coletes amarelos” de França. As várias manifestações estão previstas de norte a sul (ver mapa) e começam logo às 07h00 desta sexta-feira. E levaram, nas últimas semanas, as forças de segurança e os elementos do Sistema de Informações de Segurança (SIS) a monitorizar e recolher informações para  garantir a ordem pública. Em simultâneo, a PSP suspendeu as folgas de todos os seus agentes para 21 de dezembro. Também a GNR prevê  o reforço de contingente de meios nas estradas no dia em que se inicia a Operação Natal Tranquilo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Mapa dos locais onde os “coletes amarelos” ameaçam parar Portugal

As manifestações desta sexta-feira vão decorrer em vários pontos do país e serão monitorizadas pela PSP e GNR que já adoptaram um dispositivo de segurança adequado a cada uma das ações que venham a decorrer de Norte a Sul do país, sob o lema “Vamos parar Portugal como forma de protesto”.
Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

PremiumPara saudar o regresso de um majestoso Jaen

Serve este texto para saudar a aposta de um produtor do Dão, a Caminhos Cruzados, integrada há cerca de dois anos no grupo da Quinta da Pacheca (no Douro), na comercialização de um monovarietal de uma das castas mais singulares que se produzem em Portugal: a Jaen (Mencia, em Espanha). Há quem diga que em relação à Jaen, ou se ama ou se detesta.

PremiumFada ou bruxa? Uma duquesa que incomoda muita gente

Sociopata narcisista”. Uma classificação nada abonatória, mas é assim que é descrita Meghan Markle por ex-funcionários do Palácio de Buckingham que trabalharam para os duques de Sussex, segundo o que é revelado no novo livro de Valentine Low, que escreve sobre assuntos reais para o “The Times”.
Comentários