“Coletes amarelos” convencidos de que violência é único recurso para se fazerem ouvir

Centenas de “coletes amarelos” estão de volta ao centro de Paris para mais um dia de protesto e é consensual que “sem violência não se revolve nada”, disseram à agência Lusa manifestantes nos Campos Elísios.

“Não vamos desistir até haver alguma modificação verdadeira e nos darem mais dinheiro. Os polícias não têm agido bem nos últimos sábados e a violência chama a violência. Custa-me, mas digo já que não vamos resolver nada sem violência”, disse Pascal, “colete amarelo” vindo da Normandia à agência Lusa esta manhã nos Campos Elísios.

Mesmo assim, o ambiente esta manhã é bastante diferente do cenário dos sábados passados na principal avenida parisiense. Tal como o Ministério do Interior tinha avisado, a estratégia da polícia mudou e desde controlos aleatórios na avenida à utilização de veículos blindados na rua, as forças da ordem estão a conseguir conter os manifestantes sem utilização de gás lacrimogéneo e apenas com alguns confrontos pontuais.

Quando chegou à avenida esta manhã, Jérôme, luso-descendente e “colete amarelo” vindo de Amiens, disse à Lusa que, com tantos controlos, sentia que lhe tinham tirado o direito de se manifestar.

“Viemos para mostrar que não desistimos. Mesmo com os controlos, não temos medo. Eles querem fazer-nos medo para não nos manifestarmos. É como se nos tirassem os direito de nos manifestarmos, isto não é uma manifestação”, afirmou Jêrome, que já esteve em Paris há 15 dias para protestar contra o Governo, queixando-se que lhe apreenderam os óculos e a máscara com que contava proteger-se.

Com maior controlo no bairro dos Campos Elísios, Arco do Triunfo e Palácio do Eliseu, residência oficial do Presidente francês, durante o resto do dia é normal que os manifestantes circulem pela cidade com alguns ajuntamentos importantes na Praça da Bastilha e na zona de Porte Maillot, ponto de chegada a Paris.

“Acho que à tarde vai degenerar e, se não for aqui, vai ser noutro sítio qualquer. Vamos mudar de sítio, Paris é demasiado grande para a situação não se degenerar”, concluiu Jêrome.

Sem organização formal e sem terem feito o pedido formal de manifestação, o protesto dos “coletes amarelos” em Paris é imprevisível.

Até agora, cerca de 350 pessoas foram identificadas e mais de uma centena de pessoas foram detidas. Os manifestantes continuam a forçar o contacto com a polícia, com os contingentes a manterem a máximo distância possível.

Todas as lojas e restaurantes dos Campos Elísios e das imediações estão fechados e, tal como nos fins de semana passados, os transportes em várias zonas da cidade estão afetados com estações metro e de comboios fechadas durante todo o dia.

Recomendadas

Mundial2022: Qatar condena campanha “infundada” em resposta a críticas do PE

O Qatar condenou a resolução adotada na semana passada pelo Parlamento Europeu (PE) criticando a sua escolha como sede do Mundial de futebol em curso e denunciou uma campanha “infundada” assente em “acusações falsas e informação enganosa”.

Covid-19: Human Rights Watch pede respeito pelos direitos de manifestantes na China

A Human Rights Watch defendeu hoje que o Governo chinês deve respeitar os direitos de todos aqueles que protestam pacificamente contra as restrições no combate à pandemia de covid-19.

Sociedade civil são-tomense pede investigação internacional a “triste episódio” com quatro mortos

A sociedade civil são-tomense pediu hoje aos parceiros de cooperação uma “investigação internacional urgente” sobre o “triste episódio” do ataque ao quartel militar, na sexta-feira, em que morreram quatro pessoas, alegadamente após “agressão e tortura”.
Comentários