Coletes Amarelos: GNR vigia redes sociais e PSP apela a respeito pela lei

Manifestações “Vamos Parar Portugal” estão marcadas para amanhã em várias cidades do país. GNR está a monitorizar redes sociais e assegura que esta sexta-feira o seu contingente está reforçado nas estradas. Já a PSP suspendeu folgas de todos os polícias no dia 21, data anunciada para o protesto dos “coletes amarelos”.

Caroline Blumberg / EPA

A manifestação nacional inspirada no movimento em França está agendada para esta sexta-feira 21 de dezembro e promete parar o país. A preparação dos protestos que estão a ser organizados através das redes sociais, nomeadamente em páginas no Facebook, está a ser acompanhada atentamente pelas forças policiais. A Guarda Nacional Republicana (GNR) tem vindo a recolher informações no terreno e através das redes sociais e assegura que o dispositivo da guarda já está reforçado na época natalícia. A Polícia de Segurança Pública (PSP) apela ao respeito pela lei e manifestação pacífica, tendo já, preventivamente, dado ordem aos comandos para suspender as folgas de todos os polícias no dia 21.

“A GNR tem vindo a recolher informações no terreno e a monitorizar as redes sociais sobre as manifestações “Vamos Parar Portugal”, avançou ao Jornal Económico o porta-voz da GNR, Hélder Barros, acrescentando que “em função da evolução dos protestos, adoptará o dispositivo adequado”. Ainda assim reforça: devido à época das festas natalícias e de fim de ano, está em curso a ‘Operação Comércio Seguro’ e tem início no dia 21 a ‘Operação Natal Tranquilo’, o que significa que a GNR terá meios reforçados na rua na próxima sexta-feira para fazer face a alguma situação de incumprimento da lei”.

O porta-voz lembrou que desde as primeiras notícias sobre o movimento conhecido por ‘coletes amarelos’ em França, a GNR “tem vindo a recolher informações no terreno e através das redes sociais no sentido de adotar o dispositivo adequado, caso seja necessário”.

Também a PSP já avançou, no início desta semana,  que está a acompanhar o processo através de recolha de informação no terreno, pelas redes sociais e com os promotores das iniciativas para ter pessoal operacional caso seja necessário. E deu mesmo conta que a direção da PSP informou os comandos para suspender as folgas de todos os polícias no dia 21, data anunciada para o protesto dos “coletes amarelos”.

“Vamos ter manifestações de grande dimensão em todo o país e mandam as regras do bom senso ter pessoal operacional”, justificou o porta-voz da PSP, intendente Alexandre Coimbra, sublinhando que a preocupação se prende com a dimensão do evento, cujos protestos foram marcados para sexta-feira em várias cidades do país por grupos de cidadãos, inspirados no movimento “coletes amarelos” em França, que se manifestaram contra o elevado custo de vida, e que já originaram violentos confrontos entre manifestantes e polícia.

Também o Presidente da República disse recentemente acreditar que as manifestações agendadas para esta sexta-feira vão ser pacíficas, recordando que os cidadãos também podem manifestar o seu agrado ou desagrado nas legislativas de 2019.

O Movimento Coletes Amarelos Portugal – que reuniu mais de 10 mil pessoas, em apenas duas semanas – já sinalizou na sua página do Facebook que a  sua principal intenção é dar voz aos portugueses de formas organizada e que não tolera “qualquer tipo de violência, vandalismo ou danos”.

No manifesto que consta nesta rede social, este Movimento apresenta as suas reivindicações que vão desde a redução de impostos, passando pelo aumento do salário mínimo em 120 euros e do subsídio de desemprego, passando pelo corte nas reformas milionárias e a fixara  reforma para os políticos aos 66 anos, até  outras medidas como o combate à corrupção e o aumento da pensão mínima para 500 euros.

Menos impostos e aumento do salário mínimo para 700 euros

No topo da lista das reivindicações está a redução de impostos, nomeadamente o fim do adicional do imposto sobre produtos petrolíferos e a redução para metade do IVA sobre combustíveis e gás natural. Em matéria fiscal, exigem ainda a redução do IVA/IRC e concessão de incentivos, fiscais e outros, para as micro e pequenas empresas poderem pagar, com a correspondente taxação às grandes empresas e multinacionais, com base na sua margem de lucro. E também  a redução das taxas sobre a eletricidade, com incidência sobre as taxas de áudio-visual e de emissão de dióxido de carbono;

O Movimento Coletes Amarelos Portugal, que se afirma como “a voz de insatisfação” que tem “presenciado e vivido há anos” no país, reivindica  ainda o aumento do salário mínimo nacional (SMN) para 700 euros – que actualmente está em 580 euros e, em 2019, aumentará para 600 euros. Para o aumento de 120 euros do SMN , este Movimento sugere o corte das pensões acima de dois mil euros.

Pretendem ainda o aumento imediato do subsídio de desemprego, cujo valor máximo é actualmente de 1.072,25 euros, bem como do seu período de duração/vigência. E também aqui sugere como o Governo deve aplicar esta medida: “bastando, para o efeito, proceder ao corte nas pensões milionárias acima de 5.000 euros, que, obviamente, representam uma carga enorme para o contribuinte”.

No manifesto que consta nesta rede social, este Movimento apresenta o rascunho do seu manifesto, onde se apresenta como “pacífico”,  “apartidário” e  de “união e apoio a todos os grupos e indivíduos vulgo ‘colete amarelo’ que estejam insatisfeitos com os variados problemas da atualidade no nosso país, e que se encontram, dispostos a protestar até que os mesmo sejam resolvidos”.

O objetivo era paralisar a A8, mas as mais de dez mil confirmações no grupo e a viralização das redes sociais, prometem fazer alastrar o fenómeno a todo o país (ver mapa).

Relacionadas

Coletes Amarelos exigem salário mínimo de 700 euros, menos impostos e corte nas reformas douradas

A manifestação nacional, inspirada no movimento em França, está agendada para esta sexta-feira, 21 de dezembro, e promete parar o país. Movimento dos Coletes Amarelos Portugal reúne lista de reivindicações em manifesto que pretende dar voz a insatisfeitos com problemas do país. E assegura que acções só param quando exigências forem atendidas.

Coletes Amarelos: este é o mapa das concentrações desta sexta-feira

As manifestações a decorrer no próximo dia 21 de dezembro, em vários pontos de país, serão monitorizadas pela PSP. Estes são os pontos de concentração onde vão decorrer as manifestações desta sexta-feira.
Recomendadas

Marcelo Rebelo de Sousa discursa esta quarta-feira nos 112 anos da República

No plano interno, o chefe de Estado tem alertado para as dificuldades que os portugueses poderão enfrentar no próximo ano e apelado à divulgação pelo Governo do cenário macroeconómico que irá acompanhar a proposta de Orçamento do Estado para 2023, a apresentar dentro de cinco dias.

Marcelo assume contacto a José Ornelas para lhe dizer que envio de denúncia “não foi pessoal”

O Presidente da República assumiu hoje que teve a iniciativa de contactar o bispo José Ornelas para lhe dizer que “não foi pessoal” a denúncia contra ele que encaminhou para o Ministério Público.

Leiria lança concurso público para criar sistema de bicicletas partilhadas

A Câmara de Leiria aprovou hoje o lançamento do concurso público internacional para a criação do sistema público de bicicletas partilhadas da cidade, num investimento de 740 mil euros acrescidos de IVA.
Comentários