Coletes Amarelos: PNR apoia mas não organiza protesto “que não pode controlar”

Partido de extrema-direita assegura que, apesar de apoiar o protesto marcado para esta sexta-feira, não faz parte da organização.

Caroline Blumberg / EPA

O Partido Nacional Renovador (PNR) garante que não faz parte da organização da manifestação dos ‘coletes amarelos em Portugal’, marcada para a próxima sexta-feira, dia 21 de novembro, noticia o jornal i.

O presidente do PNR, José Pinto Coelho, disse ao diário que apesar de o partido apoiar os protestos e “tencionar lá estar”, não aceita organizar um protesto que “não pode controlar”.

“Não podemos subscrever as coisas totalmente. Se as coisas descambarem no tipo de atuação ou no tipo de reivindicação, aí recuamos”, disse.

No próximo dia 21 de dezembro estão agendados protestos em vários pontos do país, que serão monitorizados pela Polícia de Segurança Pública (PSP). As autoridades já divulgaram um comunicado no qual apelam a que ”todos os cidadãos que decidam exercer o seu direito de manifestação, que o façam de forma pacífica e em respeito pela Lei.”

 

Relacionadas

Coletes Amarelos: PSP apela a manifestação ”pacífica e em respeito pela Lei”

No seguimento da manifestação ”Vamos Parar Portugal Como Forma de Prostesto” a PSP divulgou um comunicado em que apela que ”todos os cidadãos que decidam exercer o seu direito de manifestação, que o façam de forma pacífica e em respeito pela Lei.”

Marques Mendes: “O Governo está cercado de greves por todo o lado”

O comentador explicou que o eclodir da greves se deve à ausência de oposição política: “quando não há oposição política, o vazio é preenchido na rua”.

Mais de 150 detidos e cinco vítimas na manifestação dos coletes amarelos

As forças de segurança francesas detiveram este sábado 157 pessoas na manifestação dos coletes amarelos em Paris, anunciou a polícia local, falando ainda em cinco vítimas ligeiras até às 18h00.
Recomendadas

Oeiras cria fundo para ajudar comerciantes a recuperar dos estragos do mau-tempo

A Câmara de Oeiras vai criar um fundo, cujo valor será ainda determinado, para apoiar os comerciantes na sequência dos estragos provocados pelo mau tempo, adiantou hoje o presidente, acrescentando que a avaliação dos danos será feita na sexta-feira.

Respostas Rápidas. Tudo o que precisa de saber sobre o Plano Geral de Drenagem de Lisboa

A autarquia chama-lhe “a obra invisível que prepara a cidade para o futuro”. Dois túneis vão atravessar Lisboa e escoar as águas até ao rio, mas não antes de 2025, confirma Carlos Moedas. Até lá, “paciência”, pede. A obra herculana já segue com atraso e custará até 250 milhões de euros. O Jornal Económico explica-lhe.

Moedas avisa que fenómenos extremos vão-se repetir. Pede paciência até 2025

A normalidade na capital será retomada ao longo do dia, garante o presidente da autarquia, que avisa que fenómenos desta natureza se vão repetir. A solução passa por uma obra pública que só estará concluída em 2025. Trabalhos arrancam em março e pede-se “paciência” aos lisboetas.
Comentários