Coletes amarelos: Polícia identificou oito manifestantes no Porto

A polícia identificou esta manhã oito manifestantes do protesto dos “coletes amarelos”, junto à rotunda do Nó de Francos, no acesso à cidade do Porto, disse à agência Lusa fonte da Direção Nacional da PSP.

Segundo a Direção Nacional (DN) da PSP, os manifestantes foram identificados por “apresentarem tarjas ofensivas e demonstrarem uma postura agressiva”. Um destes elementos, foi levado para a esquadra, para verificação, por vestir um colete à prova de bala, acrescentando não haver, até às 10:45, registo de detidos nesta ação.

Os protestos dos “coletes amarelos” em Portugal foram convocados por vários grupos através das redes sociais, com inspiração nos movimentos contestatários das últimas semanas em França.

Um dos grupos, Movimento Coletes Amarelos Portugal, num manifesto divulgado na quarta-feira, propõe uma redução de impostos na eletricidade, com incidência nas taxas de audiovisual e emissão de dióxido de carbono, uma diminuição do IVA e do IRC para as micro e pequenas empresas, bem como o fim do imposto sobre produtos petrolíferos e redução para metade do IVA sobre combustíveis.

Não tolerando qualquer ato de violência ou vandalismo, este movimento, que se intitula como “pacífico e apartidário”, defende também o combate contra a corrupção.

A lista das manifestações dos “coletes amarelos” na área de atuação da PSP somava 25 protestos em 17 locais das principais cidades do país.

Recomendadas

JMJ Lisboa será um “mega fenómeno”, diz secretário-geral da Segurança Interna

O secretário-geral do SSI sublinhou que “ainda é cedo para uma estimativa” sobre o número de pessoas que vão estar presentes no país, mas “a experiência aponta para ser um mega fenómeno e mega evento com uma grande circulação de pessoas”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira, 5 de dezembro

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Natal. 87% dos portugueses vão decorar as casas e só 27% querem reduzir na eletricidade

São 54% os portugueses que não pensam gastar dinheiro em novas decorações (19% prevê gastar até 25 euros e 16% prevê gastar entre 25 e 50 euros), de acordo com os dados revelados por um estudo da Klarna.
Comentários