Com o PS no Governo não haverá “nem endividamento nem empobrecimento”, garante António Costa

O secretário-geral do PS, António Costa, afirmou hoje que, se os socialistas chegarem ao Governo, não haverá “nem endividamento nem empobrecimento”, num discurso em que defendeu que a Europa é agora o novo espaço do combate democrático. António Costa falava no XX Congresso Nacional do PS, numa parte da sua longa intervenção em que abordou […]

O secretário-geral do PS, António Costa, afirmou hoje que, se os socialistas chegarem ao Governo, não haverá “nem endividamento nem empobrecimento”, num discurso em que defendeu que a Europa é agora o novo espaço do combate democrático.

António Costa falava no XX Congresso Nacional do PS, numa parte da sua longa intervenção em que abordou a questão da “asfixia” do peso da dívida em Portugal e, em relação à qual, transferiu parte significativa das soluções para o terreno da União Europeia.

“A Europa é o novo espaço do combate político democrático. Tal como nos batemos em cada freguesia, em cada município, ou a nível nacional, temos também de nos bater na Europa por uma nova política – e, para isso, é necessário um novo Governo em Portugal”, declarou o líder socialista, que no início da sua intervenção se referiu cordialmente ao seu antecessor, António José Seguro.

No ponto dedicado à resolução do peso da dívida de Portugal, o secretário-geral do PS reiterou a defesa de um modelo que equilibre o respeito pelos compromissos europeus, o respeito pelos compromissos nacionais em termos de Estado social e, como terceiro pilar, a necessidade de investimento.

“Isto implica um novo equilíbrio, que passa por uma nova leitura do Tratado [Orçamental da União Europeia], passa por uma discussão europeia sobre a questão da dívida e, finalmente, passa também por um novo programa de investimento que tem de existir na Europa”, disse, já depois de ter elogiado a ação do presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker.

Apesar de ter qualificado como “insuficiente” e “incerto” o chamado “plano Juncker”, Costa referiu que mesmo assim vai no bom sentido, destacando particularmente a possibilidade de investimentos em áreas económicas do futuro (como o digital) deixarem de contar para a contabilização do défice em cada Estado-membro.

“Há um reconhecimento que não vencemos a crise sem investimento”, sustentou o secretário-geral do PS, numa alusão à alegada nova política europeia pós Durão Barroso.

No seu discurso, António Costa referiu que há um consenso geral de que o principal problema de Portugal reside na falta de competitividade da sua economia.

Mas, nesta questão da competitividade, Costa traçou uma diferença de fundo entre os socialistas e maioria PSD/CDS.

De acordo com a lógica do secretário-geral do PS, as forças do Governo entendem que a competitividade se alcança por medidas de “redução dos salários”, através de “um modelo de empobrecimento”, enquanto, segundo Costa, os socialistas querem um modelo alternativo “assente nas qualificações, na modernização do Estado e na coesão social”.

“A questão de fundo sobre o debate de como vencer a crise é: Ou empobrecer ou qualificar-nos”, advoga.

Depois de estabelecer essa diferença com a maioria PSD/CDS, o líder do PS também se demarcou de outros modelos económicos expansionistas e estatais defendidos por setores à esquerda do seu partido, deixando então o seguinte aviso: “Com o PS, nem empobrecimento nem endividamento”.

“Queremos ir à raiz dos problemas e ter uma visão de futuro. Uma sociedade decente assenta na dignidade da pessoa humana”, declarou, numa nota humanista cristã, onde até citou o papa Francisco.

Tal como em anteriores ocasiões, António Costa, a par das críticas ao Governo, afirmou que, se os socialistas vencerem as próximas eleições, mesmo com maioria absoluta, não dispensarão os consensos.

“O país precisa de uma concertação estratégica que envolva todos os parceiros sociais e de um acordo político de fundo aberto a todos os partidos”, salienta.

OJE/Lusa

Recomendadas

Incompatibilidades de ministros devem cessar logo que há perceção, avisa Marcelo

O Presidente da República considerou hoje, questionado sobre o caso do ministro da Saúde, Manuel Pizarro, que as incompatibilidades com o exercício de cargos governativos devem cessar logo que há a perceção da sua existência.

OE2023: PAN critica “rumo de desvalorização salarial” da função pública

A porta-voz do PAN criticou hoje a proposta de aumentos salariais para a função pública, apontando um “rumo de desvalorização salarial” e alertando que os funcionários públicos “viverão com menos recursos” no próximo ano.

Marcelo assume contacto a José Ornelas para lhe dizer que envio de denúncia “não foi pessoal”

O Presidente da República assumiu hoje que teve a iniciativa de contactar o bispo José Ornelas para lhe dizer que “não foi pessoal” a denúncia contra ele que encaminhou para o Ministério Público.