Comentário: Atenções voltadas para Canadá e FED

Dia de importantes discursos dos decisores mundiais de política monetária. Esta tarde, as atenções estarão voltadas para os membros do Banco do Canadá e FED. A esse nível, Fisher, membro do FOMC, já disse ao mercado que as expectativas relativas à taxa de juro futura nos EUA (dot-chart) não são compromissos, dando a entender a possibilidade de subida da […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Dia de importantes discursos dos decisores mundiais de política monetária. Esta tarde, as atenções estarão voltadas para os membros do Banco do Canadá FED. A esse nível, Fisher, membro do FOMC, já disse ao mercado que as expectativas relativas à taxa de juro futura nos EUA (dot-chart) não são compromissos, dando a entender a possibilidade de subida da taxa ainda este ano.

Apesar dos futuros americanos estarem a reagir bem a essa informação, a verdade é que na Europa o sentimento de abertura foi misto. Lisboa abriu em queda, estando já a recuperar parte dessas perdas. Apesar da abertura atribulada, a performance da Mota-Engil impediu a negociação abaixo da linha de água.

A construtora valoriza em reação à intenção da dona da Mota-Engil África de retirada da empresa de bolsa, devido à sua baixa liquidez e preço reduzido face ao seu justo-valor. A possibilidade de fusão anima a liquidez do título cotado no PSI 20.

Já a Galp, em comunicado ao mercado, anunciou o aumento de produção no último trimestre, numa altura em que o preço médio do petróleo afundou 50% face ao trimestre homólogo, resultado do início de atividade de alguns poços do Brasil. Apesar disso, o consumo global dos produtos core da petrolífera nacional caíram. Ainda assim, o mercado antevê dados animados para o terceiro trimestre do ano, refletindo esse otimismo no preço da ação.

Em Madrid, o Ibex avançava 0,5% impulsionado essencialmente pela Abengoa que valorizava mais de 3%. Esta subida acontece depois do anúncio de aumento de capital de 650 milhões de euros para redução do valor da sua dívida, mais de 900 milhões de euros.

Sessão Europeia

– As praças europeias abriram sem uma tendência clara, apesar das ligeiras valorizações em quase todos os índices europeus. Estes ganhos devem-se sobretudo ao ânimo que os investidores ganharam depois dos mercados norte-americanos terem fechado a semana passada com os melhores resultados do ano e também pelo bom desempenho dos mercados asiáticos esta madrugada.

– O PSI20 inverteu a tendência da última semana e apresenta uma ligeira queda, relativamente ao fecho da última sessão. Depois de uma semana de ganhos, a aproveitar o balanço das eleições, o índice português surge hoje com uma ligeira correção técnica, esperando novos dados, tal como o resto da Europa, para definir uma tendência nos próximos dias. O sector bancário surge como o mais afetado, estando apenas o BPI em terreno positivo. Mota Engil, Portucel e Semapa são os títulos com melhores performances até ao momento. A ajudar a esta queda estão as cotadas da Teixeira Duarte, Pharol e Jerónimo Martins.

Sessão Asiática

– As ações asiáticas subiram nesta madrugada de segunda-feira e estenderam assim os seus ganhos do mês de outubro, com os investidores a procurarem por oportunidades no sector industrial e de materiais, setor impulsionado por uma recuperação das matérias-primas.

– As ações da China subiram mais de 3%, o maior nível em sete semanas. Este aumento após o banco central tomar novas medidas para injetar liquidez na economia.

– O índice de ações da Ásia-Pacífico fora do Japão subiu 0.6%, estendendo desta forma, um impressionante aumento de 11% este mês.

– Na Coreia, tudo ficou estável, em Jacarta houve uma subida de 0.8% e no Japão nada aconteceu porque o mercado encontra-se fechado devido a um feriado.

Ações

Crédit Suisse  – o CEO do Crédit Suisse, Tidjane Thiam, deverá anunciar ainda este mês uma alteração estratégica da gestão de topo, que pretende cortar cerca de dois mil milhões de francos em custos operacionais, por forma a agilizar o orçamento e aumentar a rentabilidade do banco.

E.ON/RWE  – as duas empresas de energia alemãs foram submetidas a testes de stress para determinar se as provisões relativamente ao encerramento de centrais nucleares eram adequadas, concluindo-se que estão de boa saúde orçamental.

BMW– Está a apresentar boas oportunidades de compra, depois de terem sidos anunciados os resultados relativamente aos nove meses deste ano, tendo aumentado as vendas em +7,5%. A empresa informou também que está a caminho de realizar um ano-recorde de vendas até ao final de 2015.  Dado que a BMW estado a recuperar e se encontra neste momento numa zona de resistência do preço, este indicador poderá dar força a posteriores subidas.

 

Análise técnica e fundamental

MATÉRIAS-PRIMAS – GOLD H4 – Estratégia de posicionamento para possível correção

Sexta-feira passada, com a fraqueza a do dólar, também o ouro quebrou o triângulo em alta, o que proporcionou um movimento de subida bastante agressivo. O movimento impulsivo levou o ouro a tocar praticamente no seu máximo de Agosto nos 1170 dólares. O mais racional neste ponto será procurar entradas curtas, na expectativa de aparecer uma correção, no entanto, sempre cientes que este valor, se for quebrado em alta, pode-nos trazer um movimento de subida mais agressivo e por isso é muito importante ter stop. A ideia é então ter um sell limite nos 1170, com stop acima deste valor, take profit nos 1160 dólares. Caso haja uma quebra em alta, deveremos também ter um buy stop no valor do stop do sell limit, para que, se formos stopados na posição curto, a nossa posição se inverta para aproveitar uma subida que possa surgir daí.

xtb_12_10

Por Pedro Ricardo Santos
Gestor da XTB Portugal 

Recomendadas

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.

Musk tinha um plano para o Twitter? Veja as escolhas da semana no “Mercados em Ação”

Conheça as escolhas da semana do programa da plataforma multimédia JE TV numa edição que contou com a análise de Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees.

PSI encerra no ‘vermelho’ em contra ciclo com a Europa

Lá fora, as principais praças europeias negociaram maioritariamente em terreno positivo. O FTSE 100 valorizou 0,32%, o CAC 40 ganhou 0,08%, e o DAX apreciou 0,01%. O espanhol IBEX 35 manteve-se estável.