Comentário. O ouro subiu mais de 10 dólares.

Os mercados americanos abriram a negociação em terreno ligeiramente negativo. Os investidores aguardam agora os discursos dos principais decisores da política monetária nos EUA. Depois dos dados mistos do mercado imobiliário, o abrandamento chinês continua a ser a principal preocupação. Os receios de contágio à economia global continuam a preocupar BCE e FED. Mário Draghi […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Os mercados americanos abriram a negociação em terreno ligeiramente negativo. Os investidores aguardam agora os discursos dos principais decisores da política monetária nos EUA. Depois dos dados mistos do mercado imobiliário, o abrandamento chinês continua a ser a principal preocupação.

Os receios de contágio à economia global continuam a preocupar BCE e FED. Mário Draghi irá discursar na próxima quinta-feira. Apesar de não ser esperada qualquer alteração a actual política, o jogo de palavras do presidente da instituição europeia pode animar os mercados de acções, caso existam indícios de mais estímulos no curto-prazo.

O petróleo negoceia hoje com ganhos, interrompendo as quedas abruptas observadas ontem depois dos dados chineses. Se no início da sessão, o sector mineiro era o mais prejudicado, a recuperação agora observada evidencia a subida generalizada do preço das matérias-primas. O ouro subiu hoje mais de 10 dólares. A título de exemplo, o gigante Glencore esteve a perder perto de 3% para agora negociar acima dos 2,30%.

A praça lisboeta contraria a maior parte das congéneres europeias. Do lado negativo, o Banif continua em destaque. A instituição liderada por Jorge Tomé cumpre o segundo dia consecutivo a perder mais de 5%. As quedas acontecem depois das declarações de Maria Luís Albuquerque, que reavivou receios de incumprimentos na reestruturação do banco, iniciada em 2013. A confirmarem-se irregularidades, os investidores acreditam num adiamento da saída do Estado do capital da instituição, convicção que tem levado muitos investidores a largarem as suas posições.

O BCP, que ganha mais de 2%, está a ser beneficiado pelos dados avançados pelo BCE que dão conta de um incremento no valor de crédito concedido pelas instituições bancarias, fruto do facilitismo disponibilizado pela instituição europeia.

Também a REN está a animar a bolsa portuguesa. Os títulos da eléctrica nacional reflectem os números avançados pela empresa, relativos ao dia de sábado. As condições climatéricas permitiram um valor de produção que possibilitou exportar energia em níveis recorde. As acções da empresa já valorizaram, desde o princípio do ano, cerca de 20%, a quinta maior valorização do PSI20.

Por Pedro Ricardo Santos,
gestor da XTB Portugal

Recomendadas

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.

Musk tinha um plano para o Twitter? Veja as escolhas da semana no “Mercados em Ação”

Conheça as escolhas da semana do programa da plataforma multimédia JE TV numa edição que contou com a análise de Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees.

PSI encerra no ‘vermelho’ em contra ciclo com a Europa

Lá fora, as principais praças europeias negociaram maioritariamente em terreno positivo. O FTSE 100 valorizou 0,32%, o CAC 40 ganhou 0,08%, e o DAX apreciou 0,01%. O espanhol IBEX 35 manteve-se estável.