Comercialização de banana aumentou 18,4% na Madeira

Nos primeiros quatro meses de 2022 foram comercializadas 5.584,5 toneladas de banana, um acréscimo em 867,0 toneladas relativamente ao período homólogo, representando um aumento de 18,4%.

No primeiro quadrimestre de 2022 a comercialização de banana na região autónoma da Madeira aumentou 18,4% em termos homólogos, segundo dados da Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DRADR), solicitados pela Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM).

A DRADR informa ainda que nos primeiros quatro meses de 2022 foram comercializadas 5.584,5 toneladas de banana, um acréscimo em 867,0 toneladas relativamente ao período homólogo.

Deste total, 80,6% foi expedida (face aos 79,3% expedidos no primeiro quadrimestre de 2021). O principal destino é o território continental.

A notar que a evolução foi desigual mediante diferentes categorias de banana. “Comparativamente ao mesmo período de 2021, a banana de categoria extra e de primeira aumentaram 20,3% e 18,6%, respetivamente, enquanto a de segunda apresentou uma redução de 0,7%”, explica a DREM.

Olhando para os primeiros quatro meses deste ano, foi em abril onde se registou um maior volume de comercialização de banana, de 1.526,6 toneladas.

Do lado oposto, fevereiro foi o mês com menos comercialização de banana (1.257,6 toneladas), contudo, foi aquele no qual se registou a maior subida (de 42,0%).

Recomendadas

Madeira: Expo Pecuária regressa à Ponta Delgada este fim de semana

O evento, que se realiza este fim de semana, dias 25 e 26 de junho, vai já na sua sétima edição, tendo sido cancelado em 2020 e 2021 devido à pandemia por Covid-19.

Madeira recebe evento de agentes de viagem de luxo

O evento será realizado no Reid’s Palace, a Belmond Hotel, e conta com o patrocínio da Associação de Promoção da Madeira, do Savoy Palace, do DMC Madeira, do Reid’s Palace e da Quinta Jardins do Lago.

Madeira: JPP insiste na redução do IVA da eletricidade

“Sendo um bem essencial e indispensável para a nossa vida, não faz qualquer sentido que a eletricidade continue a ser taxada com a taxa intermédia, quando todos sabemos que a eletricidade é um bem essencial, e como tal, terá de ser taxada à taxa mínima”, frisou.
Comentários