Comercialização de banana na Madeira aumentou 17,3% face ao ano passado

Do número total de bananas comercializadas de janeiro a agosto deste ano, 84,7% foi expedida, tendo como principal destino o Continente. Este valor era de 84,0% em 2021.

Nos primeiros oito meses de 2022 foram comercializadas na primeira venda 15.021,0 toneladas de banana, mais 2.214,6 toneladas que o mesmo período de 2021, um aumento de 17,3% em termos percentuais. A informação é foi fornecida pela Direção Regional de Agricultura (DRA), consultada pela Direção Regional de Estatística da Madeira.

Do número total de bananas comercializadas de janeiro a agosto deste ano, 84,7% foi expedida, tendo como principal destino o Continente. Este valor era de 84,0% em 2021.

A referir que evolução de acordo com as categorias variou. Comparativamente ao mesmo período de 2021, a banana de categoria extra e de primeira aumentaram 20,0% e 12,3%, respetivamente, mas a banana de categoria segunda apresentou uma redução de 1,7%.

Saliente-se que do total de banana comercializada nos primeiros oito meses deste ano, 81,6% pertencia à categoria extra. Este valor era de 79,7% no período homólogo de 2021.

Durante o intervalo de tempo em referência, junho foi o mês que registou maior volume de comercialização de banana (2.455,4 toneladas), mas foi em fevereiro, que se observou a maior subida relativa, de 42,0%.

Recomendadas

Madeira: IHM renova campo de jogos do Bairro da Nazaré num investimento de 65 mil euros

A reabilitação daquele espaço e a introdução de um campo destinado à prática do Madeirabol, deverá constituir mais um polo de atração e recreio para os moradores, mas também para a população em geral.

Saiba que erros evitar na gestão das finanças pessoais

Faça um Plano Financeiro. Defina objetivos a curto, médio e longo prazo, mas que consiga cumprir. Quantifique-os e defina prazos. Calcule pequenas metas a curto prazo para os atingir e mantenha-se focado nesses objetivos, sem ser demasiado ambicioso.

Parlamento da Madeira pede inclusão das regiões autónomas no grupo que vai elaborar o Plano Estratégico da Pequena Pesca

“Para nós é fundamental que as Regiões Autónomas estejam salvaguardadas com uma presença efetiva, por forma a que possamos salvaguardar as especificidades da pequena pesca nas ilhas, que é diferente da que acontece no território continental”, aclarou Nuno Maciel.
Comentários