Comerciantes da Baixa pombalina acusam Governo de deixar lojas e pequeno comércio “ao esquecimento”

A associação considera que as restrições aplicadas vão “alarmar e agudizar a crise económica” que estes comerciantes já atravessam “apesar de todos os esforços liderados pela ADBP no desenvolvimento de iniciativas  e parcerias” com o objetivo de recuperar o ritmo do comércio na região.

Rafael Marchante / Reuters

Perante a ordem de recuou no desconfinamento no concelho de Lisboa, a Associação de Dinamização da Baixa Pombalina (ADBP) manifestou “descontentamento e apreensão”, sublinhando que o impacto será sobretudo mais visível na Baixa-Chiado.

De acordo com a nota divulgada, esta sexta-feira, embora a ADBP reconheça a “importância e a necessidade” de serem adotadas medidas para colmatar o aumento de casos Covid-19 na região, a associação frisa que “mais do que preocupados, estão, sobretudo, indignados com a falta de medidas de proteção para o pequeno comércio” devido às restrições horárias aplicadas.

De acordo com as medidas anunciadas, esta quinta-feira, os restaurantes, cafés e pastelarias podem funcionar até às 22h30 durante a semana e até às 15h30 ao fim de semana e feriados enquanto que o comércio a retalho não alimentar pode operar até às 21h00 durante a semana e até às 15h30 ao fim de semana e feriados.

“A Baixa de Lisboa é uma zona reconhecida pela predominância de um comércio tradicional, que honra as origens e a história da cidade e do país. As pequenas empresas que formam o seu tecido empresarial encontram-se ainda muito fragilizadas e a tentar recuperar deste período tão difícil e conturbado”, explica a ADBP.

A associação considera que as restrições aplicadas vão “alarmar e agudizar a crise económica” que estes comerciantes já atravessam “apesar de todos os esforços liderados pela ADBP no desenvolvimento de iniciativas e parcerias” com o objetivo de recuperar o ritmo do comércio na região.

Preocupada com o futuro da Baixa-Chiado, a ADBP mostra-se descontente, porque acredita que as causas que estão na origem dos números de contagem, podiam ser evitadas e por isso acusa o Governo de “falta de planeamento e coordenação nas ações”, “a ausência de planos de ação quando a prevenção falha” e ainda a “ausência de fiscalização em espaços públicos e esplanadas, onde as concentrações eram evidentes para toda a gente”.

Além das medidas anunciadas, a associação fala ainda de discriminação entre pequeno e grande comércio, argumentando que na resolução de Conselho de Ministros, desta quinta-feira, “há medidas de proteção do pequeno comércio não alimentar que não foram contempladas, ao permitir-se que as grandes superfícies, que disponibilizam bens tipicamente comercializados nos estabelecimentos de comércio de retalho, possam funcionar até às 19h durante o fim de semana e o pequeno comércio é obrigado a encerrar às 15h30”.

Assim, a ADBP acredita que “infelizmente o pequeno comércio e as lojas tradicionais são deixados ao esquecimento, assim como tudo o que representam”. É, inclusive, caso para Vasco Mello, vice-presidente da ADBP, afirmar que o Governo “é fraco com os fortes e forte com os fracos”.

Recomendadas

Costa contraria ideia de empobrecimento e afirma que Portugal está a crescer mais do que Alemanha, França e Espanha

Dados de Costa surgem dias depois das previsões de Outono da Comissão Europeia, cujas mais recentes previsões indicam que em 2024 a Roménia ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da UE.

Macau renova licenças às seis atuais operadoras de casinos no território

MGM Grand Paradise, Galaxy Casino, Venetian Macau, Melco Resorts (Macau), Wynn Resorts (Macau) e SJM Resorts viram as propostas aprovadas.

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.
Comentários