Comércio agroalimentar da UE entre janeiro e outubro de 2021 sobe 6%

A exportações e importações da UE entre janeiro e outubro de 2021 atingiram um valor combinado de 268,1 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 6 % em relação ao mesmo período do ano anterior, divulgou esta quinta-feira a Comissão Europeia. O excedente comercial agroalimentar fixou-se nos 57,5 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 14 % comparativamente ao período homólogo de 2020.

Vale do Douro

O valor total do comércio agroalimentar da UE (exportações mais importações) entre janeiro e outubro de 2021 atingiu um valor de 268,1 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 6 % em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo dados divulgados esta quinta-feira pela Comissão Europeia.

As exportações aumentaram 7 % para 162,8 mil milhões de euros, enquanto as importações aumentaram 4 % para 105,3 mil milhões de euros. O excedente comercial agroalimentar fixou-se, assim, nos 57,5 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 14 % comparativamente ao período homólogo de 2020.

O maior crescimento das exportações verificou-se para os Estados Unidos, com um aumento de 2,4 mil milhões de euros (sete pontos percentuais),  impulsionado pelos vinhos, bebidas espirituosas e licores, mas também pelo chocolate e produtos de confeitaria.

Além disso, as exportações para a Coreia do Sul e a Suíça aumentaram 698 milhões de euros e 588 milhões, respetivamente, enquanto também  foram registados aumentos nas exportações para a Noruega (473 milhões de euros) e Israel (395 milhões).

As exportações para o Reino Unido sofreram uma quebra no início do ano e o aumento de 0,01% no total dos 12 meses reflete a forma como recuperaram ao longo do ano. Mas as importações de lá caíram mais do que as de qualquer outro país: 3,3 mil milhões de euros ou 26%.

Não obstante, as exportações para vários países caíram: o maior declínio foi observado nas exportações para a Arábia Saudita (548 milhões de euros) – em grande parte devido à queda nas exportações de trigo, cevada e preparações de cereais – , seguido de Hong Kong (245 milhões) e Kuwait (130 milhões).

Em relação a categorias específicas de produtos, os primeiros dez meses de 2021 registaram grandes aumentos nos valores de exportação de vinho (3 mil milhões de euros ou 27%) e bebidas espirituosas e licores (1,4 mil milhões ou 26%).  As maiores reduções foram observadas nas frutas tropicais, nozes e especiarias (602 milhões ou -5,3%) e sumos de frutas (200 milhões ou -11,9%).

Recomendadas

Restaurante Flor de Sal mostra gastronomia transmontana na Etiópia

O chef Bruno Cambado vai levar, até dia 21 de novembro, o melhor da gastronomia de Trás-os-Montes a Adis Abeba, no âmbito da Semana Gastronómica Luso-Brasileira que vai decorrer naquele país africano, iniciativa inserida no programa de comemorações do Bicentenário da independência do Brasil. Vinhos, azeites, bolos de bacalhau, alheira de galo, cuscos de Vinhais com legumes, milhas com tomate e pudim de castanhas serão as estrelas, como explica o chef, em declarações ao Jornal Económico.

Vindima no Douro arranca mais cedo para “salvar” uva da seca e do calor

A vindima começou mais cedo no Douro para “salvar” a uva da seca e do calor e, pelos valados de uma quinta, em Alijó, cruzam-se vindimadores portugueses, timorenses e ucranianos, que minimizam a falta de mão-de-obra.

“Os insetos não são um risco nem uma ameaça, mas sim um benefício”, salienta CEO da Entogreen

Na Entogreen, empresa da área biotecnológica, os insetos são usados na indústria agroalimentar para evitar ou atenuar perdas económicas para as empresas. “Não inventámos nada, apenas adaptámos o que acontece na natureza”, diz ao JE o fundador e CEO, Daniel Murta. Assista à conversa nesta “Fast Talk” conduzida pelo jornalista João Santos Costa.
Comentários