Comissão da ONU sobre racismo pede investigação à China por abusos a uigures

A Comissão da ONU para a Eliminação da Discriminação Racial instou hoje a China a investigar “de imediato” todas as denúncias de violações dos direitos humanos na região autónoma de Xinjiang, sobretudo habitada pela minoria muçulmana uigur.

As acusações à China incluem tortura, violência sexual, desaparecimento de pessoas, trabalhos forçados e encarceramento em campos de concentração nas zonas desérticas da região de Xinjiang, situada no noroeste do país.

Pequim sempre negou a existência de tais instalações e qualquer envolvimento no sequestro de uigures da região, até que os complexos de edifícios erigidos no meio do deserto, rodeados de arame farpado e com torres de vigia com guardas armados foram localizados através da aplicação Google Maps.

A comissão instou também a China a libertar todas as pessoas arbitrariamente privadas da sua liberdade e encarceradas em Xinjiang nesses recintos que Pequim agora designa como “centros de formação profissional”, mas que grupos e organizações de defesa dos direitos humanos classificam como campos de concentração ou de “reeducação”.

Aquele organismo das Nações Unidas exortou ainda o Governo chinês a pôr fim às represálias contra os uigures e as restantes comunidades muçulmanas do país e apelou para que seja garantido o pagamento de indemnizações às vítimas de violações dos direitos humanos em Xinjiang.

Recomendadas

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.

República Srpska: novo governo quer aproximação à Rússia e à China

Parte integrante da Bósnia-Herzegovina, a república sérvia-bósnia, novamente liderada por Milorad Dodik, continua a ter um comportamento desalinhado com o resto da federação.
Comentários