Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa confiante apesar da discórdia sobre novos horários

Os novos horários de laboração contínua preveem quatro fins de semana completos e mais um período de dois dias consecutivos de folga em cada dois meses para cada trabalhador.

O coordenador da Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa afirmou hoje que não receia pelo futuro da fábrica, apesar do diferendo com a administração sobre novos horários, num dia em que estão previstas várias reuniões plenárias na fábrica de Palmela.

“Não receio pelo futuro da fábrica”, disse à agência Lusa Fernando Gonçalves, que justificou a confiança demonstrada com as informações recolhidas numa recente deslocação que fez à casa mãe da Volkswagen, na Alemanha, mas que se escusou a revelar antes dos plenários previstos para esta quarta-feira.

Quanto às propostas do caderno reivindicativo da Comissão de Trabalhadores que deverão hoje ser discutidas nas diversas reuniões plenárias, Fernando Gonçalves também remeteu eventuais esclarecimentos para a próxima quinta-feira.

Confrontado com a notícia avançada terça-feira pela rádio Antena 1, de que uma das reivindicações seria um aumento salarial de 6,5%, Fernando Gonçalves não confirmou nem desmentiu.

A Comissão de Trabalhadores (CT) da Autoeuropa convocou para hoje reuniões plenárias (08:00, 15:30 e 23:40) com os trabalhadores dos três turnos na sequência da decisão da administração da empresa de avançar, em finais de janeiro de 2018, com um novo horário de produção de 17 turnos semanais, face à rejeição de dois pré-acordos negociados previamente com a Comissão de Trabalhadores.

Apesar de se tratar de um acordo imposto unilateralmente, a administração da Autoeuropa promete pagar os sábados a 100%, acrescidos de mais 25%, caso sejam cumpridos os objetivos de produção trimestrais.

A decisão da administração de avançar com um novo horário de forma unilateral é contestada pela Comissão de Trabalhadores, que defende o regresso às negociações para definir os novos horários de laboração contínua e respetivas condições de remuneração.

Se entretanto não houver entendimento entre a administração e os trabalhadores, o novo horário de laboração contínua deverá vigorar até ao mês de agosto de 2018. A Autoeuropa promete, no entanto, discutir o período após agosto de 2018 com a Comissão de Trabalhadores.

Relacionadas

Respostas rápidas: Braço-de-ferro continua na Autoeuropa. E agora?

A comissão de trabalhadores rejeita o novo horário de produção avançado pela administração da Autoeuropa e o conflito na maior unidade industrial portuguesa continua sem fim à vista. Saiba o que está em causa.

CGTP quer que Autoeuropa produza carros elétricos

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, quer que o Governo discuta uma estratégia produtiva de médio e longo prazo para a fábrica da Autoeuropa, em Palmela, que passe pela produção de carros elétricos. Arménio Carlos adianta, num artigo de opinião divulgado hoje no jornal Público, que a CGTP considera “que este é o momento certo […]
Recomendadas

EDP procura startups mais inovadoras na área da energia

Elétrica lança a 7ª edição do Free Electrons em busca de startups inovadoras. Candidaturas decorrem até 28 de janeiro.

Mitos que bloqueiam progressão feminina e dificultam diversidade de género nas empresas

Relatório da Mazars e Gender Balance Observatory desmistifica mitos em contexto laboral, entre os quais a falta de ambição e a aversão ao risco entre as mulheres, a questão da maternidade ou das quotas e a meritocracia.

Mercado automóvel cresce 1,8% entre janeiro e novembro, mas muito longe dos números pré-pandemia

Dados da ACAP revelam que em termos globais, o mercado automóvel regista um crescimento de 1,8% entre janeiro a novembro de 2022, face a igual período do ano anterior. De referir que 11,1% dos veículos ligeiros de passageiros novos são elétricos (BEV).
Comentários