Comissão Europeia admite incluir sanções às importações de petróleo russo num novo pacote

A Comissão Europeia está a pensar “muito” em incluir sanções às importações de petróleo da Rússia no próximo pacote de medidas. A intenção foi revelada pelo vice-presidente e comissário do comércio dos 27, Valdis Dombrovskis.

A Comissão Europeia (CE) está a pensar “muito” em incluir sanções às importações de petróleo da Rússia no próximo pacote de medidas contra o gigante eslavo, revelou hoje o vice-presidente e comissário do comércio dos 27, Valdis Dombrovskis.

Dombrovskis, que está em Washington esta semana para participar nas reuniões da primavera do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial (BM), disse, numa mesa-redonda com jornalistas, que “algum tipo de embargo ao petróleo russo” será uma das seis novas sanções em que a Comissão está a trabalhar.

“Devemos impor as sanções de uma forma que se maximize a pressão sobre a Rússia e, ao mesmo tempo, minimize os danos colaterais para nós”, afirmou o comissário do Comércio, um dos oito vice-presidentes do órgão de governo europeu.

Embora Dombrovskis não tenha necessariamente descartado um embargo ao petróleo russo, esclareceu que existem outras maneiras de impor sanções “inteligentes”, como a aplicação de tarifas.

Para além do futuro imediato, o Comissário sublinhou que a União Europeia decidiu abandonar, a médio e longo prazo, a dependência energética da Rússia.

No início de abril, a UE anunciou que vai proibir a importação de carvão russo a partir de agosto, o que representa apenas uma pequena parte de um negócio de energia dominado por petróleo e gás natural, mais lucrativo para o Kremlin e difícil para a UE de sancionar.

Desde o início da guerra na Ucrânia, a UE gasta 1.000 milhões de euros por dia para comprar energia de Moscovo, facto que foi duramente criticado pelas autoridades ucranianas, considerando que isto constitui a linha de sustentação da economia russa.

Na mesa-redonda de hoje, Dombrovskis também indicou que uma outra questão em que a Comissão Europeia está a trabalhar é a explorar maneiras de dar à Ucrânia um tratamento comercial preferencial, para aliviar o gigantesco impacto que a invasão da Rússia está a provocar na sua economia.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, mais de 5 milhões das quais para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU – a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Recomendadas

CEO da Microsoft destaca plataforma para ajudar a Ucrânia criada por português

Satya Nadella diz que o “Ukraine Live Aid”, para prestar apoio aos refugiados ucranianos, foi um dos trabalhos “significativos” e “muito necessários” que feitos com as Power Pages da Microsoft.

Ocidente deve ser mais brando com a Rússia e a Ucrânia deve ceder, defende Kissinger

Segundo o ex-secretário de Estado dos EUA, os líderes europeus não devem perder de vista o relacionamento de longo prazo com a Rússia, nem devem arriscar empurrá-la para uma aliança permanente com a China. O antigo campeão de xadrez Garry Kasparov disse que essa posição, para além de imoral, foi provada errada repetidamente.

Mais de 200 corpos encontrados em cave de Mariupol

Informação foi avançada por Petro Andryushchenko, conselheiro do presidente da câmara de Mariupol.
Comentários