Comissão Europeia proíbe utilização do aditivo alimentar dióxido de titânio a partir deste verão

O dióxido de titânio era utilizado para conferir a cor branca a muitos alimentos, deste pastas para barrar a sopas, molhos ou suplementos alimentares.

Reforçando a vertente de atuação em relação à segurança dos alimentos, a Comissão Europeia anunciou que vai proibir,a partir deste verão, a utilização do aditivo alimentar dióxido de titânio, que foi considerado perigoso para a saúde humana.

“A Comissão Europeia adotou hoje [dia 14 de janeiro] a proibição da utilização do dióxido de titânio (E 171) como aditivo alimentar. A proibição entrará em vigor decorrido um período transitório de seis meses. Ou seja, a partir do verão, o aditivo deixa de poder ser adicionado aos produtos alimentares”, de acordo com um comunicado do RAPID – boletim infornativo da Representação da Comissão Europeia em Portugal.

Segundo esse comunicado, “o dióxido de titânio era utilizado para conferir a cor branca a muitos alimentos, deste pastas para barrar a sopas, molhos ou suplementos alimentares”.

“Os Estados-Membros subscreveram por unanimidade a proposta da Comissão apresentada no outono, que se baseou num parecer científico da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos, que concluiu que o E 171 já não podia ser considerado seguro quando utilizado como aditivo alimentar”, conclui o o comunicado em questão.

Recomendadas

Deep learning e drones ajudam cientistas da Universidade de Coimbra a analisar vinhas nacionais

Há mais um projecto nacional que põe tecnologia ao serviço das vinhas: depois dos sensores para racionalizar a rega e do robot pulverizador do INESC TEC, ambos para as vinhas do Douro, chega a vez de um projecto da Universidade de Coimbra. Desta vez, o objectivo é o «desenvolvimento de sistemas de monitorização não invasivos e eficientes» para […]

G7 alerta para crise energética e alimentar causada pela guerra na Ucrânia

As sete principais economias mundiais advertiram hoje que a guerra na Ucrânia está a provocar uma crise alimentar e energética global que ameaça os países pobres.

CAP pede ao Governo alteração ao mecanismo europeu de apoio ao sector agrícola

As ajudas excecionais colocam agricultores portugueses em desvantagem concorrencial face aos congéneres europeus. Por isso o Governo tem de pedir alteração ao mecanismo europeu de apoio ao setor agrícola, quem o defende é a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP).
Comentários