Comissão Europeia revê em baixa crescimento do PIB português em 2023 para 0,7% (com áudio)

A Comissão Europeia reviu hoje em ligeira alta o crescimento do PIB português para este ano, para 6,6%, mas antecipa que em 2023 cresça somente 0,7%, muito abaixo das suas anteriores projeções e abaixo das do Governo.

A Comissão Europeia reviu hoje em ligeira alta o crescimento do PIB português para este ano, para 6,6%, mas antecipa que em 2023 cresça somente 0,7%, muito abaixo das suas anteriores projeções e abaixo das do Governo.

Relativamente às anteriores previsões de verão, publicadas em meados de julho, Bruxelas acrescenta 0,1 pontos percentuais às perspetivas de crescimento da economia portuguesa em 2022, de 6,5 para 6,6% (o segundo maior do espaço da moeda única, apenas atrás da Irlanda, de 7,9%), mas revê em forte baixa as expectativas para o próximo ano, já que há quatro meses apontava para uma expansão de 1,9% e agora só espera 0,7%.

As previsões de Bruxelas para 2022 ficam ligeiramente acima daquela inscrita pelo Governo na proposta de Orçamento do Estado para 2023 (OE2023), de um crescimento de 6,5% – embora entretanto o ministro das Finanças, Fernando Medina, já tenha admitido que a economia portuguesa possa expandir-se este ano até 6,7% -, mas relativamente a 2023 são mais pessimistas do que as de Lisboa, que espera um crescimento do PIB português de 1,3%.

Recomendadas

Apoio às famílias pode mitigar desaceleração da economia, prevê Fórum para a Competitividade

O pacote de apoios preparado pelo Governo como resposta à inflação pode mitigar a desaceleração da economia, mas o próximo ano apresenta-se repleto de riscos de desafios. Salários reais devem voltar a cair, prevê o Fórum para a Competitividade.

Goldman Sachs prevê arrefecimento da economia global nas próximas décadas

Com os EUA a perderem gás e a Indonésia a deixar para trás o Brasil e a Rússia, as próximas décadas serão de menor crescimento da economia global – num mundo em que os velhos serão cada vez mais numerosos. É o ‘Global Economics Paper’ para 2075.

Inflação dos produtos alimentares na OCDE nos 16,1% em outubro, máximo desde 1974

A inflação homóloga dos produtos alimentares no conjunto da OCDE atingiu 16,1% em outubro, mais oito décimas de ponto percentual do que em setembro e o nível mais alto desde maio de 1974, foi hoje anunciado.
Comentários