Commerzbank vai eliminar 2.300 postos de trabalho

O banco, cujo principal acionista é o Estado alemão desde a crise financeira de 2009, chegou a acordo para um plano de reestruturação nos próximos três anos, devido à situação em que se encontra numa altura de baixas taxas de juro e com a digitalização.

O Commerzbank, segunda maior entidade financeira da Alemanha, anunciou esta segunda-feira que vai eliminar 2.300 emprego, cerca de 6% do total, no âmbito de um plano ao qual destina neste trimestre 610 milhões de euros.

A responsável financeira do Commerzbank, Bettina Orlopp, reconheceu que este passo, que pretende aliviar os problemas do banco, vai afetar os resultados deste trimestre, mas considerou que servirá de base para os “ajustes necessários no futuro”.

O banco, cujo principal acionista é o Estado alemão desde a crise financeira de 2009, chegou a acordo para um plano de reestruturação nos próximos três anos, devido à situação em que se encontra numa altura de baixas taxas de juro e com a digitalização.

Há meses que estava em discussão a necessidade de encerramento de agências do banco e de redução do pessoal, depois de um plano de relançamento anterior (que incluía a eliminação de 4.300 postos de trabalho), anunciado em setembro de 2019, não ter convencido os acionistas.

A nova estratégia do Commerzbank será apresentada no primeiro trimestre de 2021, após a saída da presidência de Martin Zielke, no próximo dia 31, sendo substituído por Manfred Knof.

Recomendadas

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.
Comentários