PremiumComo ficará a estrutura acionista da EDP?

Não faltaram notícias sobre a EDP em 2019. Contratos, processos, planos, parcerias, vendas: a energética liderada por António Mexia manteve os jornalistas que cobrem energia ocupados.

Não faltaram notícias sobre a EDP em 2019. Contratos, processos, planos, parcerias, vendas: a energética liderada por António Mexia manteve os jornalistas que cobrem energia ocupados. O ano vai ser lembrado, no entanto, como aquele em que a OPA da China Three Gorges fracassou.

Mesmo antes de enfrentar os testes dos reguladores da Comissão Europeia e dos Estados Unidos (e neste último caso com a rejeição quase garantida), a oferta da estatal chinesa, lançada em 2018 para comprar a totalidade das ações da EDP, esbarrou na Assembleia Geral (AG)de 24 de abril. Os acionistas chumbaram o fim do limite de votos de 25% por acionista, dando assim um golpe fatal à OPA.

A CTG mantém ainda os 23,27% que detém na empresa, mas a CNIC, também detida pelo Estado chinês, em novembro vendeu: de uma participação de 4,34% passou para 0,56%. Nesse mesmo mês, Mexia disse ao JE que a decisão da CNIC estava relacionada com as decisões da AG, mas salientou ainda que nenhum acionista, nem a CTG, pode condicionar o plano da energética. O CEO explicou ainda que vê muito interesse de fundos americanos na história da EDP.

O sinal é claro: com a derrota dos chineses na OPA e com a EDPa ganhar contratos nos EUA, os investidores norte-americanos poderão voltar a ter peso na empresa. O Capital Group saiu em 2018, mas a Black Rock mantém-se com 5% e Paul Elliott Singer, que entrou para combater a OPA, não foi tão ‘abutre’ assim e detém ainda a quota de 2,45%.

Com o plano estratégico anunciado em março a ser implementado a todo gás, incluindo vendas de ativos e novos contratos, a EDP reposiciona-se para uma nova era, mais verde, menos endividada e, quiçá, mais americana. Se Mexia renovar o mandato em 2021, será para liderar uma empresa bem diferente do que era no início do triénio em 2018.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários