Como investir em tempos de coronavírus?

A recente pandemia do novo coronavírus abalou os mercados e alavancou o medo dos investidores. Em tempos de crise de saúde pública, saiba como contornar o panorama mundial e investir sem medos.

O novo coronavírus, responsável pela infeção respiratória aguda Covid-19, é já considerado pela Organização Mundial de Saúde uma ameaça ao nível pandémico. Mais de 130 mil pessoas contraíram o vírus, desde que este foi identificado pela primeira vez no final de dezembro na cidade chinesa de Wuhan.

Além do enorme custo de vidas, com mais de 7000 mortes registadas, a crise de saúde pública converteu-se numa crise generalizada e que atravessa dimensões da vida comum.

O impacto mais imediato faz-se sentir nas bolsas de valores e no mercado de ações. A 27 de fevereiro, o NASDAQ-100, o S&P 500 e o Dow Jones tiveram as quedas mais acentuadas desde 2008. Por todo o mundo, as bolsas de valores registaram as maiores perdas desde a crise e, à data, muitas foram as bolsas que implementaram medidas limitativas, de forma a contrariar a perda e a conter uma implosão das mesmas.

Nos tempos que correm, o medo de muitas pessoas não gira apenas em torno da sua saúde, mas também na saúde dos seus investimentos. Para contrariar o elevado nível de volatilidade que se regista em todo o mundo, há que procurar alternativas.

Certo, investidores mais experientes e habituados a esta instabilidade podem saber navegar no mar de incertezas que se adivinha para os próximos tempos. Alguns regressarão à bolsa e às ações, enquanto outros buscarão títulos do tesouro, que apresentam rendimentos normalmente muito baixos, ou ouro, mas este também pode ser muito volátil.

Mas, onde ficam os investidores mais inexperientes e novatos? Alternativas aos modelos tradicionais de investimento não faltam.

Há vários anos que assistimos ao aparecimento de inúmeras plataformas de investimento 100% digitais, nomeadamente na área do crowdlending. A Bondora é uma destas plataformas, por várias vezes considerada uma das plataformas mais recomendadas da Europa.

Na prática, é bastante simples: o investidor coloca o seu dinheiro à disposição de pessoas que procurem empréstimos e em troca, recebe esse dinheiro e os juros que lhe estão associados. Pode ser bastante lucrativo se tiver em conta o poder dos juros compostos (já aqui lhe tínhamos falado deles). Em toda a transação, a Bondora assume o papel de intermediária.

Se escolher investir com a Bondora, que está há mais de 10 anos no mercado, preste atenção especial ao Go & Grow. O nome diz tudo: é uma ferramenta da plataforma que lhe permite que apenas acrescente fundos à sua conta. Depois, basta esperar e o seu investimento começará a render a taxa esperada de até 6,75%* ao ano. Os ganhos são recebidos diariamente e o melhor de tudo? A qualquer momento pode pedir a retirada dos fundos em 100%.

 

 

*Como em qualquer investimento, o capital está em risco e os investimentos não são garantidos. O rendimento é de até 6,75% ao ano. Antes de investir, consulte por favor a declaração de risco da Bondora ou entre em contacto com o seu assistente financeiro.

É uma opção bastante simples e eficaz. Perfeita para investir com mais tranquilidade nos tempos que correm. Além disso, é muito fácil de usar e oferece boa liquidez. Pode começar a investir com um qualquer valor a partir de €1 — não se esqueça de que nos mercados tradicionais é preciso bastante capital para sequer gerar algum lucro.

Até ao momento, nenhum investidor no Go & Grow perdeu qualquer valor com a crise provocada pelo novo coronavírus, mesmo com a quebra dos mercados. A taxa de 6,75% manteve-se e gerou rendimentos como era esperado.

E se o medo é o que o impede de investir nestes tempos em que vivemos, ganhe alguma segurança e conforto sabendo que pode solicitar a retirada do seu dinheiro a qualquer momento. A melhor forma de um investidor sair da crise em que entrámos é evitar a volatilidade acentuada e confiar em soluções mais previsíveis.

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a Bondora.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários