Como lidar com o risco cibernético? Assista ao Fórum Cibersegurança do JE

Em debate estarão temas como a cibersegurança no sector financeiro, o papel das pessoas como elemento-chave para a proteção informática das organizações e a forma como as empresas portuguesas estão a lidar com o risco cibernético.

O Jornal Económico (JE) promove esta terça-feira, dia 19 de abril, o seu primeiro Fórum Cibersegurança, com uma reflexão sobre os grandes desafios que as organizações portuguesas enfrentam nesta área.

O evento decorre esta manhã no auditório do Edifício Quelhas, do ISEG, em Lisboa, com as participações de quase duas dezenas de líderes de bancos, seguradoras, tecnológicas, sociedades de advogados, consultoras e outras empresas.

Em debate estão temas como a cibersegurança no sector financeiro, o papel das pessoas como elemento-chave para a proteção informática das organizações e a forma como as empresas portuguesas estão a lidar com o risco cibernético.

 

Veja aqui todo o programa do Fórum Cibersegurança:

Recomendadas

Râguebi português no Mundial: uma oportunidade para atrair patrocinadores? Veja o “Jogo Económico”

O râguebi português vive um momento histórico com a segunda qualificação para o Mundial. Dos apoios aos patrocínios, o que ganha a modalidade com esta visibilidade? Carlos Amado da Silva, presidente da Federação Portuguesa de Râguebi, é o convidado desta edição.

Embargo europeu ao petróleo russo: o que esperar? Veja os gráficos da semana no “Mercados em Ação”

Veja os destaques na rubrica “Gráficos da Semana”, da responsabilidade de Marco Silva, consultor de estratégia e investimento, no programa que contou com a análise de Mário Martins, administrador da ActivTrades Brasil.

“A Arte da Guerra”. “Petróleo? Países ocidentais não querem que a Rússia deixe de produzir e exportar”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, Francisco Seixas da Costa sublinhou que os países ocidentais não estão interessados em que a Rússia deixe de produzir e exportar petróleo até porque essa situação pode levar a um agravamento ainda maior dos preços internacionais tanto do petróleo como do gás.
Comentários