Como os países da UE estão a reduzir os fósseis e a apostar nas renováveis

A transição energética já não é apenas sobre travar o aquecimento global. É, cada vez mais, sobre segurança de abastecimento, transações justas, preços comportáveis e autonomia energética.

A maioria dos países da União Europeia (UE) está a planear utilizar cada vez mais energias renováveis para produzir eletricidade, em detrimento dos combustíveis fósseis.

Uma análise conjunta do think tank EMBER (Coal to Clean) e do CREA (Centre for Research on Energy and Clean Air) revela que, até 2030, a eletricidade não renovável nos Estados-membros da União Europeia deverá decrescer cerca de um terço, passando dos atuais 867 TWh para os 595 TWh.

Em resposta à crise do preço do gás natural e à ilegítima invasão da Ucrânia por parte da Rússia, 19 Governos europeus lançaram planos para acelerar a descarbonização. A ambição da transição energética tomou outras proporções.

A Alemanha elevou a fasquia e anunciou que, em 2030, quer atingir 80% de eletricidade gerada a partir de renováveis – quando o objetivo inicial era chegar aos 65%. Já os Países Baixos preveem dobrar a instalação eólica offshore para 21 GW até 2030, e França pretende atingir os 100 GW em parques solares até 2050. Portugal surge na linha da frente com a ambição de chegar aos 80% de eletricidade renovável em 2026.

A Europa está, assim, a dar respaldo a uma alteração, sem precedentes, do paradigma energético abrindo caminho para um modelo mais transparente, mais limpo, mais saudável e mais seguro.

Esta visão está consubstanciada na estratégia energética europeia REPowerEU, que aumentou a meta de consumo final de energia a partir de fontes renováveis dos atuais 40%, previstos no pacote FIT for 55, para os 45% até 2030, e estabeleceu uma meta de eficiência energética de 41% face aos 36% estipulados anteriormente.

A transição energética já não é apenas sobre travar o aquecimento global, cujas consequências já se fazem sentir de forma inequívoca. É, cada vez mais, sobre segurança de abastecimento, transações justas, preços comportáveis e autonomia energética.

O aumento da eletricidade produzida a partir de energia eólica onshore e offshore, da energia solar e a proliferação dos gases renováveis, como o hidrogénio verde, que estes países estão a impulsionar, ajudará certamente a evitar que ocorram outras crises energéticas, sociais e humanitárias como a que se vive atualmente.

Recomendadas

A prevenção da corrupção enquanto dínamo de negócio

Num mundo cada vez mais global, uma adequada política de anticorrupção constitui cada vez mais um fator diferenciador no momento de fazer negócio, sendo um baluarte de confiança e de mitigação de eventual risco de contaminação decorrente de atos de terceiros.

Como empobrecer em três meses

À Manuela passou a faltar dinheiro quase todos os meses, o que a faz viver numa angústia permanente, latente e inquieta. E, claro está, não há lugar a poupanças, deixou de haver orçamento para lazer, ou sequer para as viagens habituais à terra dos pais.

Ressalto?

Depois de semanas em que o pânico tomou conta dos mercados, parece haver algum espaço para correções às tendências instaladas.
Comentários