Como poderá a Rússia tentar contornar as sanções petrolíferas da União Europeia?

Encontrar novos compradores ou até mesmo cortar na produção de petróleo e elevar preços são alternativas que a Rússia pode aproveitar para fugir ao impacto das sanções europeias.

Fontes consultadas pela “CNBC” indicam que Moscovo poderá procurar novos compradores do petróleo russo como forma de responder às sanções europeias. O Kremlin também poderá cortar na produção para manter os preços altos.

Mikhail Ulyanov, representante permanente da Rússia junto de organizações internacionais em Viena, garantiu que o país procurará outros compradores para o petróleo.

Por sua vez, Helima Croft, chefe de estratégia global de commodities da RBC Capital Markets, apontou que “se os barris [vindos da Rússia] encontrarem casas na Índia, China e Turquia, pode depender da União Europeia optar por direcionar serviços de transporte”.

Segundo a “CNBC” Moscovo já tem dois prováveis ​​compradores para o petróleo: China e Índia. Os países estão a comprar petróleo russo com desconto e observadores da indústria dizem que isso deve continuar.

Embora a Índia tradicionalmente importe muito pouco petróleo da Rússia – apenas entre 2% e 5% ao ano – as suas compras dispararam nos últimos meses. A Índia comprou 11 milhões de barris em março e esse número saltou para 27 milhões em abril e 21 milhões em maio. Um forte contraste com os 12 milhões de barris que comprou da Rússia em todo o ano de 2021.

Em linha com a índia também as compras da China, que já era o maior comprador individual de petróleo russo, aumentaram. De março a maio, comprou 14,5 milhões de barris – um aumento de três vezes em relação ao mesmo período do ano passado.

“O que está a acontecer agora mudará o comércio de petróleo e gás natural no futuro. As consequências das sanções russas serão sentidas por alguns anos”, assegurou Hossein Askari, professor da Escola de Negócios da Universidade George Washington.

Além de redirecionar as exportações, a Rússia também poderá cortar a produção e as exportações de petróleo para amortecer o golpe nas finanças.

No domingo, o vice-presidente da petrolífera russa Lukoil, Leonid Fedun, disse que o país deveria reduzir a produção de petróleo em até 30% para elevar os preços e evitar a venda de barris com desconto.

“Para a Rússia, achamos que o impacto dos menores volumes de exportação será compensado principalmente pelos preços mais altos”, sublinhou Edward Gardner, economista da Capital Economics, acrescentando que a produção e as exportações de petróleo da Rússia podem cair cerca de 20% até o final do ano.

Relacionadas

Hungria trava embargo petrolífero da UE recusando sancionar patriarca russo

O patriarca Cirilo é considerado “um aliado de longa data do Presidente Vladimir Putin” e “tornou-se um dos principais apoiantes da agressão militar russa à Ucrânia”, sublinha a proposta de sanções submetida à aprovação dos Estados-membros da União Europeia (UE).
Recomendadas

Avalanche em Itália mata pelo menos sete pessoas. Draghi culpa as alterações climáticas

A região tem registado temperaturas excecionalmente altas nos últimos dias. “O calor é incomum”, disse o porta-voz do serviço de resgate, Walter Milan, observando que os termómetros atingiram 10°C no pico da montanha nos últimos dias.

Ucrânia precisa de 750 mil milhões de dólares para plano de recuperação

“Hoje, as perdas diretas de infraestrutura da Ucrânia chegam a mais de cem mil milhões de dólares. Quem vai pagar pelo plano de renovação, que já está a ser avaliado em 750 mil milhões?”, questionou o primeiro-ministro do país, Denys Shmygal.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira, 4 de julho

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.
Comentários