Como será a recuperação económica depois da Covid-19? Veja o debate do Observatório JE/Crédito Agrícola

Qual o impacto da pandemia no tecido empresarial português e qual será a eficácia dos mecanismos de apoio à recuperação de empresas? Qual o papel da Banca na retoma? Estes serão alguns dos temas em debate neste Observatório que conta com a parceria do Crédito Agrícola.

Qual o impacto da pandemia no tecido empresarial português e qual será a eficácia dos mecanismos de apoio à recuperação de empresas? Qual o papel da Banca na retoma? Como será o impacto da pandemia nas Finanças Públicas e como se pode preparar a economia para futuras pandemias? Qual o papel da Europa e os desafios para o futuro no contexto global? Estes serão alguns dos temas a debater pelos convidados do JE.

Para este debate convidámos Licínio Pina, presidente do Conselho de Administração Executivo, Crédito Agrícola, José Crespo de Carvalho, presidente da Comissão executiva do ISCTE, Francisca Oliveira, professora Universitária da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa, António Saraiva, presidente da Confederação Empresarial de Portugal, intervenientes que serão moderados por Shrikesh Laxmidas, diretor adjunto do “Jornal Económico”.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários