Como serão os contratos sociais do futuro?

Todos vivemos e interagimos, ainda que sem nos apercebermos, no contexto de um contrato social que rege a forma como o mercado, o mundo do trabalho, o Estado e os cidadãos interagem de forma contínua e se relacionam.

Simon Dawson/Bloomberg

Um contrato social é o conjunto de acordos implícitos e explícitos que permitem que os cidadãos convivam numa sociedade civil, refletindo um entendimento comum quanto à forma de distribuir o poder e os recursos de modo a alcançar a justiça social. Estes acordos são dinâmicos, e procuram promover a estabilidade, equilibrando as relações entre cidadãos e governo, trabalhadores e empregadores, o individual e o coletivo.

Os contratos sociais estão atualmente sob uma enorme pressão. As desigualdades económicas estão a atingir níveis extremos, fruto das forças primárias da globalização e da evolução tecnológica. Crises como a dos refugiados e movimentos migratórios introduzem uma tensão adicional sobre estes contratos.

As novas ondas de disrupção podem levar os contratos sociais a um ponto de rutura. O futuro do trabalho e o aperfeiçoamento humano pode conduzir a uma deslocação massiva do trabalho e dos trabalhadores, e, sem medidas corretivas, estas tendências podem contribuir ainda mais para o incremento das desigualdades e levar os contratos sociais a um colapso.

Entretanto, as redes sociais estão a polarizar o discurso social. Ecos e opiniões online dificultam a existência de um terreno favorável à realização de acordos políticos que promovam a reforma dos contratos sociais.

Que impactos terão estas tendências nos contratos sociais do futuro?

Diferentes sociedades alcançarão soluções distintas, contudo, independentemente da forma que venha a ser adotada, quatro princípios deverão estar subjacentes aos contratos sociais do futuro:

– Os contratos sociais deverão ser inclusivos;

– Devem estar mais alinhados com interesses e comportamentos de longo prazo ao invés do curto prazo, permitindo responder aos desafios coletivos do futuro;

– Devem ser baseados no mercado e no setor privado;

– Os governos irão desempenhar um papel fundamental no realinhamento entre os interesses do setor privado e as necessidades de longo prazo da sociedade.

Para além dos quatro princípios acima mencionados, fatores como a democracia., desigualdade, educação, regulação e métricas, terão também de ser endereçados.

Na EY acreditamos no poder das perguntas, por isso terminamos com algumas questões para reflexão:

– Como irão cidadãos, governos e empresas estabelecer contratos sociais de longo prazo e mais inclusivos?

– Como irão as sociedades endereçar a desigualdade numa era de automação?

– Que responsabilidades terão as empresas de combater a desigualdade?

– Como medir e reportar o alinhamento com os objetivos e interesses de longo prazo?

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

A adoção de cloud nas organizações

A adoção de cloud é vital para a transformação digital, adotando tecnologias disruptivas e otimizando as organizações.

O arquivo eletrónico e a desmaterialização de faturas e documentos

Os requisitos técnicos e legais referentes à desmaterialização de faturas e demais documentos fiscalmente relevantes, e de constituição do arquivo eletrónico, foram definidos com a publicação do Decreto-Lei n.º 28/2019, de 15 de fevereiro.

Reinventar o SNS

Colocam-se ao SNS desafios associados ao envelhecimento populacional, à maior prevalência de doenças crónicas, ao maior consumo de cuidados de saúde e à maior exigência dos utentes.
Comentários