Como seria o preço da eletricidade sem renováveis?

Dada a conjuntura atual constituem antes uma vantagem financeira que diariamente gera um sobreganho e uma proteção contra a subida de preços para os consumidores.

O preço da eletricidade no mercado ibérico grossista (Mibel) disparou este mês de setembro e alcançou novos máximos históricos.

Ao longo dos últimos meses esta tem sido a tendência, fruto do aumento da procura de eletricidade e da subida, quer do preço das emissões de CO2, aplicado ao gás natural e carvão, quer do próprio gás natural, a que ainda temos que recorrer para suprir as necessidades de consumo. Assim continuaremos enquanto a matriz de produção de eletricidade a partir de fontes renováveis for insuficiente em potência e energia para suprir o consumo, presente e futuro.

A pergunta que importa colocar é: como seria o preço da eletricidade sem renováveis?

O estudo sobre o Impacto da Eletricidade de Origem Renovável, apresentado há dias, uma análise da consultora Deloitte desenvolvida para a APREN – Associação Portuguesa de Energias Renováveis, vem esclarecer esta questão.

O estudo avaliou o impacto da eletricidade de origem renovável na fatura dos consumidores, no sistema elétrico e na economia nacional, entre 2016 e 2020, tendo em conta a política energética e os objetivos do Plano Nacional de Energia e Clima, mas também a nova ambição europeia.

As fontes de energia renovável, segundo esta análise, geram poupanças anuais na fatura da eletricidade de até 50 euros para um consumidor doméstico e de até 4.500 euros para um consumidor não-doméstico. A análise revela que as poupanças líquidas para o consumidor de eletricidade, entre 2016 a 2020, atingiram cerca de 6,1 mil milhões de euros.

Isto significa que as renováveis não representaram nem representam qualquer sobrecusto para o sistema elétrico nacional. Dada a conjuntura atual constituem antes uma vantagem financeira que diariamente gera um sobreganho e uma proteção contra a subida de preços para os consumidores.

Isto acontece porque a Produção em Regime Especial (PRE) renovável tem um custo marginal zero ou quase nulo, ou seja, o ar, o sol e a água são energia base gratuita e não poluente. Isto permite que sejam apresentadas no Mibel ofertas de eletricidade a um custo inferior ao de mercado da eletricidade a gás natural, reduzindo assim o preço diário da eletricidade.

Eis a resposta à pergunta: entre 2016 e 2020 a eletricidade teria custado, em média, mais 24 euros por MWh sem as renováveis.

A eletricidade produzida a partir de fontes renováveis, ao substituir fontes mais poluentes, evitou ainda a emissão de 19,9 milhões de toneladas equivalentes de CO2 em 2020, a que corresponde uma poupança de 433 milhões de euros em licenças de emissão de CO2.

Colhemos agora os frutos do apoio à Produção em Regime Especial de origem renovável, opção tomada numa altura em que as tecnologias se encontravam na sua fase inicial. Os ganhos financeiros para o consumidor de eletricidade são agora visíveis. Afinal, investir em renováveis compensa. Esta é uma aposta de futuro para proteger o ambiente e a carteira do consumidor.

Recomendadas

A prevenção da corrupção enquanto dínamo de negócio

Num mundo cada vez mais global, uma adequada política de anticorrupção constitui cada vez mais um fator diferenciador no momento de fazer negócio, sendo um baluarte de confiança e de mitigação de eventual risco de contaminação decorrente de atos de terceiros.

Como empobrecer em três meses

À Manuela passou a faltar dinheiro quase todos os meses, o que a faz viver numa angústia permanente, latente e inquieta. E, claro está, não há lugar a poupanças, deixou de haver orçamento para lazer, ou sequer para as viagens habituais à terra dos pais.

Ressalto?

Depois de semanas em que o pânico tomou conta dos mercados, parece haver algum espaço para correções às tendências instaladas.
Comentários