Companhias recusam cobrar taxa turística nos bilhetes de avião

A associação das companhias aéreas, que representa 70% do tráfego aéreo na Portela, recusa-se a cobrar a taxa de turismo aprovada pela câmara de Lisboa, argumentando que os bilhetes não têm de definir a residência dos viajantes. Para o diretor executivo da associação, a RENA, a cobrança de uma taxa aos turistas que visitem Lisboa, […]

A associação das companhias aéreas, que representa 70% do tráfego aéreo na Portela, recusa-se a cobrar a taxa de turismo aprovada pela câmara de Lisboa, argumentando que os bilhetes não têm de definir a residência dos viajantes.

Para o diretor executivo da associação, a RENA, a cobrança de uma taxa aos turistas que visitem Lisboa, aprovada pela assembleia municipal na terça-feira, não deve ser feita através dos bilhetes vendidos pelas companhias aéreas, como já foi defendido.

“Li declarações do vice-presidente da Câmara municipal de Lisboa dizendo que a solução mais provável seria a cobrança das taxas através dos bilhetes”, mas “a verdade é que esta solução não é pura e simplesmente exequível”, afirmou António Portugal à Lusa.

“Se o critério para definir quem é turista for o domicílio fiscal, a verdade é que as companhias aéreas não têm essa informação. E não são obrigadas a ter porque o número de contribuinte não é exigido”, explicou o responsável.

Além disso, acrescentou, essa possibilidade pode abrir precedentes que as companhias aéreas consideram impossíveis de gerir.

“Se o município de Lisboa se lembra hoje de pedir às companhias para incluir a taxa no bilhete, nada nos livra que, de hoje para amanhã, um outro município – e aqui eu ressalvo que a ligação do aeroporto a Lisboa não é nenhuma, o aeroporto é propriedade do Estado português – se arrogue a criar uma ligação com os turistas e a querer cobrar aos turistas que visitam o seu concelho e utilizam a sua infraestrutura”.

Nesse caso, adiantou António Portugal, qualquer concelho estaria “no seu legítimo direito [de] pedir às companhias para incluir uma taxa que depois revertesse para esse município”.

Um cenário que o diretor-executivo da RENA rejeita por completo, lembrando que “não é a isso que as companhias se dedicam” e sublinhando que as empresas de transporte aéreo “não vão prestar este serviço, muito menos de forma gratuita, a nenhum município do país”.

Criticando o facto de as companhias aéreas não terem sido ouvidas sobre o tema enquanto esteve em debate, António Portugal admitiu recear que “não se tenha pensado na operacionalidade e na praticabilidade deste tipo de soluções”.

Por isso, avançou, a única solução que parece possível de executar significa um recuo no tempo e na modernidade dos aeroportos.

“A solução que vejo como única possível, mas que não sei se é desejável, é a de utilizarmos a mesma solução de alguns aeroportos de destinos turísticos onde, com sacrifício da eficiência, da operacionalidade dos aeroportos e do conforto dos passageiros, se encaminha as pessoas para um ‘guichet’ onde os turistas têm de mostrar o passaporte e liquidam ali” a taxa, defendeu.

No entanto, sublinhou o diretor-executivo, essa solução desagrada às 18 companhias aéreas representadas pela associação.

“Como utilizadores do aeroporto e como parte interessada em trabalhar uma infraestrutura que queremos moderna e fluída e que leve a que os passageiros se sintam bem quando visitam Lisboa pela fluidez na chegada e acesso à cidade, parece-nos que é recuar 20 ou 30 anos”, referiu, admitindo que as empresas gostariam que “isso não acontecesse”.

OJE/Lusa

Recomendadas

Musk avança para a compra do Twitter e ações disparam 22%

O CEO da Tesla, Elon Musk, voltou atrás na negociação e concordou em comprar o Twitter pelo preço original acordado de 44 mil milhões de dólares. As negociações da tecnológica na bolsa norte-americana foram interrompidas aquando do anúncio e retomaram a valorizar 22%.

Amazon congela contratações para a área de retalho

A gigante do comércio eletrónica pausou todas as contratações de executivos para a sua unidade de retalho e interrompeu os processos de recrutamento em curso. Também Google, Apple e Meta já tomaram medidas semelhantes.

Celsius. Depois da insolvência, CEO e co-fundador de saída

O co-fundador e Chief Strategy Officer da Celsius, uma plataforma de criptomoedas, S. Daniel Leon, está de saída. A decisão foi conhecida uma semana depois da demissão do CEO, Alex Mashinky, e poucos meses depois do aberto o processo de insolvência.