Compra de ativos pelo BCE em Portugal é de nível similar ao défice, conclui instituto alemão

“A análise mostra que para Itália, Grécia, Portugal e Alemanha, as compras líquidas são de magnitude semelhante ou até maior do que os respetivos défices públicos dos países”, refere o ZEW.

Reuters

O nível de compra de ativos portugueses ao abrigo dos programas do Banco Central Europeu (BCE) foi de nível similar ao do défice nacional, de acordo com o instituto económico alemão ZEW.

“A análise mostra que para Itália, Grécia, Portugal e Alemanha, as compras líquidas são de magnitude semelhante ou até maior do que os respetivos défices públicos dos países”, pode ler-se no documento divulgado na terça-feira.

As estimativas do ZEW “revelam o envolvimento indireto substancial dos bancos centrais nacionais [que executam os programas do BCE] no financiamento dos países do euro”, de acordo com a economista Annika Havlik, co-autora do estudo.

O foco principal do documento assinala que “as compras de ativos do Eurosistema desde o início da pandemia de covid-19 desviam-se significativamente da tabela de repartição de capital do BCE em termos da sua alocação entre os países da zona euro”.

“Relativamente à tabela de repartição do capital, as compras de ativos do Governo italiano desviaram-se até 25% entre março e setembro, ao passo que a percentagem de compras da Espanha excedeu a sua tabela nacional em 11%, a Bélgica 7%, e a Eslovénia e a França 3% cada”, pode ler-se no documento.

Os programas de compra de ativos do BCE dividem-se no PSPP (Programa de Compras do Setor Público) e no PEPP (Programa de Compras de Emergência Pandémica), adotado na sequência da crise económica causada pela pandemia de covid-19.

De acordo com o estudo do ZEW, e apesar dos requisitos do PSPP serem mais restritos que os do PEPP, os desvios são maiores no programa pré-pandemia.

Ao passo que as compras do PEPP de ativos públicos italianos excedem a tabela de repartição em 17%, o desvio é ainda maior no PSPP, em cerca de 45%, pode ler-se no documento, registando-se a mesma inversão no caso francês, e no caso alemão estão alinhados no PEPP, mas 46% abaixo no PSPP.

“As diferenças entre os dois programas são assinaláveis. Olhar apenas para o PEPP seria enganador. Quase dá a impressão de que o Eurosistema está a fazer cosmética no balanço. A vista geral mostra que as tabelas de repartição são ignoradas a uma escola muito maior do que os números do PEPP, isolados, mostram”, disse Friedrich Heinemann, co-autor do estudo.

O estudo conclui que “os programas de compras de ativos nesta escala devem acabar depois da crise da covid-19”.

Recomendadas

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.

Musk tinha um plano para o Twitter? Veja as escolhas da semana no “Mercados em Ação”

Conheça as escolhas da semana do programa da plataforma multimédia JE TV numa edição que contou com a análise de Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees.

PSI encerra no ‘vermelho’ em contra ciclo com a Europa

Lá fora, as principais praças europeias negociaram maioritariamente em terreno positivo. O FTSE 100 valorizou 0,32%, o CAC 40 ganhou 0,08%, e o DAX apreciou 0,01%. O espanhol IBEX 35 manteve-se estável.
Comentários