Comprar casa na Madeira sofreu subida de 23%

Foi em Santana que se registou o maior aumento com 7,5%, seguido por Calheta 3% e São Vicente 2,9%.

O preço das casas teve um aumento de 1,9%, em novembro, na Madeira, para os 2.339 euros por metro quadrado, quando comprado com o mês anterior, diz a Idealista. Contudo subiu 3,7%, face ao trimestre anterior, e 23,8%, face ao período homólogo. Santana liderou as subidas com uma valorização de 7,5%, seguindo-se Calheta (3%), São Vicente (2,9%).

Apesar de Santana ter registado o maior aumento na compra da casa é o município mais barato para comprar casa, na região, ao atingir os 1.236 euros por metro quadrado, seguido por São Vicente (1.279 euros por metro quadrado), Machico (1.403 euros por metro quadrado).

O Funchal é o município mais caro para comprar casa (2.618 euros por metro quadrado), seguido por Calheta (2.313 euros por metro quadrado), Câmara de Lobos (1.933 euros por metro quadrado) e Ribeira Brava (1.815 euros por metro quadrado).

Santa Cruz chega aos 1.519 euros por metro quadrado e a Ponta do Sol aos 1.778 euros por metro quadrado. Porto Santo atinge os 1.691 euros por metro quadrado.

Os preços das casas subiram também em Câmara de Lobos (2,1%), Santa Cruz (1,7%), Machico (1,7%), Funchal (1,2%) e Ribeira Brava (1%).

Preço da casa sobe 1% no Funchal

Os preços das casas, considerando as cidades capitais de distrito, tiveram subidas em Vila Real (5%), Viseu (4,4%) e Beja (3,8%), Castelo Branco (2,5%), Santarém (2,4%), Ponta Delgada (2,4%), Guarda (2,3%), Braga (1,8%), Funchal (1,4%), Lisboa (1,2%), Viana do Castelo (1,2%), Bragança (1%), Évora (0,9%), Coimbra (0,8%), Setúbal (0,6%), Leiria (0,5%) e Porto (0,5%). Registaram-se descidas em Portalegre (-2,4%) e Faro (-0,2%), e Aveiro teve estabilização.

Os dados da Idealista referem que Lisboa é a cidade onde é mais caro comprar casa: 5.145 euros por metro quadrado. Porto (3.188 euros por metro quadrado) e Funchal (2.618 euros por metro quadrado), Faro (2.542 euros por metro quadrado), Aveiro (2.451 euros por metro quadrado), Setúbal (2.158 euros por metro quadrado), Évora (1.975 euros por metro quadrado), Coimbra (1.751 euros por metro quadrado), Ponta Delgada (1.632 euros por metro quadrado), Braga (1.551 euros por metro quadrado), Viana do Castelo (1.407 euros por metro quadrado), Viseu (1.347 euros por metro quadrado) e Leiria (1.329 euros por metro quadrado).

Já as cidades mais económicas são Portalegre (644 euros por metro quadrado), Castelo Branco (818 euros por metro quadrado), Bragança (819 euros por metro quadrado), Guarda (837 euros por metro quadrado), Beja (954 euros por metro quadrado), Santarém (1.008 euros por metro quadrado) e Vila Real (1.142 euros por metro quadrado).

Por distritos/ilhas as maiores subidas foram para a ilha Terceira (9,7%), ilha de São Jorge (7,2%) e ilha do Faial (6,4%), ilha do Pico (5,6%), ilha de Porto Santo (5,2%), Évora (4,5%), Viana do Castelo (4,2%), Bragança (3,7%), Coimbra (3,7%), Viseu (2,8%), Leira (2,8%), ilha de São Miguel (2,7%), Faro (2,1%) e Braga (2,1%), ilha da Madeira (1,8%), Santarém (1,7%), ilha de Santa Maria (1,4%), Setúbal (1,4%), Vila Real (1%), Lisboa (0,8%), Castelo Branco (0,6%), Aveiro (0,6%) e Porto (0,3%).

Os preços mantiveram-se estáveis no distrito de Beja e tiveram descida na Guarda (-1%) e em Portalegre (-0,5%).

Madeira é o quatro distrito mais caro

O distrito mais caro para comprar casa é Lisboa (3.843 euros por metro quadrado), seguido por Faro (3.044 euros por metro quadrado), Porto (2.390 euros por metro quadrado), ilha da Madeira (2.353 euros por metro quadrado), Setúbal (2.303 euros por metro quadrado), ilha de Porto Santo (1.691 euros por metro quadrado), Aveiro (1.639 euros por metro quadrado), Leiria (1.436 euros por metro quadrado), Braga (1.435 euros por metro quadrado), ilha de São Miguel (1.415 euros por metro quadrado), Coimbra (1.315 euros por metro quadrado), ilha do Pico (1.304 euros por metro quadrado), Viana do Castelo (1.228 euros por metro quadrado), Évora (1.216 euros por metro quadrado), ilha de Santa Maria (1.172 euros por metro quadrado), ilha do Faial (1.164 euros por metro quadrado), ilha Terceira (1.102 euros por metro quadrado) e ilha de São Jorge (1.059 euros por metro quadrado).

Entre os mais económicos encontram-se Portalegre (638 euros por metro quadrado), Guarda (657 euros por metro quadrado), Castelo Branco (725 euros por metro quadrado), Bragança (875 euros por metro quadrado), Beja (922 euros por metro quadrado), Vila Real (943 euros por metro quadrado), Viseu (964 euros por metro quadrado) e Santarém (997 euros por metro quadrado).

Por regiões, em novembro, verificaram-se aumentos na Região Autónoma dos Açores (4,6%), Alentejo (3,7%), Algarve (2,1%), Região Autónoma da Madeira (1,9%), Centro (1,8%), Norte (1,1%) e Área Metropolitana de Lisboa (0,8%).

Entre as regiões mais caras para comprar casa está a Área Metropolitana de Lisboa (3.476 euros por metro quadrado), Algarve (3.044 euros por metro quadrado), Região Autónoma da Madeira (2.339 euros por metro quadrado), Norte (2.025 euros por metro quadrado).

Entre as mais baratas estão: Região Autónoma dos Açores (1.296 euros por metro quadrado), o Centro (1.331 euros por metro quadrado) e o Alentejo (1.408 euros por metro quadrado).

Recomendadas

Funchal: Coligação Confiança vê proposta sobre ruído chumbada pelo PSD

A proposta previa auscultação prévia a um leque abrangente de entidades que incluem não só as forças de segurança, a ARAE, a ACIF e os sindicatos representativos do sector das actividades económicas, mas também a Provedoria da Justiça, os munícipes que tenham apresentado reclamação sobre ruído nos últimos cinco anos e demais interessados.

Câmara do Funchal aprova benefícios fiscais para novo projeto de reabilitação urbana

Pedro Calado destacou a aposta que a autarquia está a fazer na recuperação de imóveis degradados com a atribuição de benefícios fiscais, quase todas as semanas.

Valor da comercialização de Vinho da Madeira cresceu 8,4% apesar da quantidade ter recuado 2,7%

A comercialização no mercado nacional atingiu os 583,4 mil litros e rendeu um valor aproximado a 5,3 milhões de euros, dos quais 463,9 mil litros e 4,1 milhões de euros são das vendas efetuadas na Região Autónoma da Madeira.
Comentários