Comprar presentes de Natal a crédito é uma boa opção? Saiba aqui

É fácil comprar usando o cartão de crédito ou contratando um crédito. No caso do empréstimo pessoal, este crédito é chamado de fácil aprovação, mas não é barato.

Cristina Bernardo

As campanhas publicitárias e o apelo ao consumo no Natal usam valores de peso – descontração, animação, harmonia, enfim, cenário de felicidade, tudo passível de ser comprado agora e pago no próximo ano. Falamos do recurso ao crédito para a aquisição de bens de consumo, uma prática cada vez mais comum por parte das famílias portuguesas.

Comprar a crédito é uma boa decisão? Com cartão de crédito ou empréstimo pessoal?

É fácil comprar usando o cartão de crédito ou contratando um crédito. No caso do empréstimo pessoal, este crédito é chamado de fácil aprovação, mas não é barato. As letras miudinhas, pouco claras, desincentivam a leitura dos contratos e dificultam muito a explicação dos encargos   elevados   que terá de pagar. As palavras “custos” e “juros” estão sempre presentes, pelo que o consumidor deve pensar duas vezes antes de usar o cartão ou o crédito pessoal para fazer as compras de Natal.

Não tenho outra solução, vou pagar com o cartão de crédito. O que devo saber?

Se a compra tem um valor baixo, a opção é razoável no que respeita ao contornar das despesas de dossiê e das comissões. Porém, os juros são altos. Deve recolher toda a informação primeiro para não ser apanhado de surpresa.

O crédito pessoal afinal tem juros menores. Não valerá a pena esta opção?

É certo que temos juros mais baixos, mas os pagamentos de comissões, seguros e outras despesas acabam por tornar o valor a pagar elevado. Esta opção só merece ponderação a partir de montantes mais significativos, por exemplo, cinco mil euros. Mais uma vez aconselhamos a que se informe antecipadamente de todos os encargos.

Informe-se connosco.

Conte com o apoio da DECO MADEIRA através do número de telefone 968 800 489/291 146 520, do endereço eletrónico deco.madeira@deco.pt. Pode também marcar atendimento via skype. Siga-nos nas redes sociais Facebook, Twitter, Instagram, LinkedIn e Youtube.

Recomendadas

80% dos que se despediram em 2022 arrependem-se da decisão, aponta estudo

O fenómeno que ficou conhecido como ‘a grande demissão’ resultou num grande arrependimento. 80% dos trabalhadores que largaram os seus empregos no ano passado gostaria de voltar atrás na decisão, revela um estudo da Paychex.

Deputados aprovam definição de limite de isenção para despesas com teletrabalho

Os deputados aprovaram hoje na especialidade uma proposta do PS para que seja definido o valor até ao qual a compensação que as empresas têm de pagar pelas despesas adicionais com teletrabalho ficam isentas de imposto.

Saiba aqui por que é importante sensibilizar os jovens para gerir o dinheiro e poupar

No geral, as famílias portuguesas ainda poupam muito pouco e é necessário inverter esta tendência começando precisamente pelos mais novos. É importante que os jovens aprendam a poupar, a fazer escolhas no presente para que possam pensar num objetivo no futuro.
Comentários