Compras das empresas atingiram 271 mil milhões em 2021 acima da pandemia

As compras das empresas totalizam 271 mil milhões de euros em 2021, valor que após sofrer uma quebra acentuada em 2020, já supera o registo de 2019, antes da pandemia de Covid-19, revela a Informa D&B. Este valor corresponde a um crescimento de 18% face ao ano de 2020, com 61% das empresas a aumentaram as compras em 2021.

As compras das empresas totalizam 271 mil milhões de euros em 2021, valor que após sofrer uma quebra acentuada em 2020, já supera o registo de 2019, antes da pandemia de Covid-19, revela a Informa D&B. Este valor corresponde a um crescimento de 18% face ao ano de 2020, com 61% das empresas a aumentaram as compras em 2021.

Segundo a análise há uma elevada concentração das compras em alguns setores e subsetores, já que dois terços das compras são feitas por três setores – Indústrias, Grossistas e Retalho e quase metade das compras são feitas por 0,2% das empresas, sendo que 75% do valor das compras é feito no mercado interno.

As indústrias, apesar de representarem 9% do total das empresas em Portugal, são responsáveis por quase 27% das compras realizadas.

Os dados da Informa D&B avaliaram as compras das empresas do setor público e privado com atividade comercial durante o ano de 2021, mas não inclui Banca, Seguros, empresários em nome individual, profissionais liberais, administração pública e setor social.

Estes dados são apresentados dia 16 no evento “Procurement em Portugal: como fazer diferente”, da APCADEC – Associação Portuguesa de Compras e Aprovisionamento, revela a Informa D&B.

Do valor total das compras, 193,7 mil milhões de euros (71%) dizem respeito à aquisição de bens, sendo o restante
relativo a fornecimentos e serviços externos, avança o estudo.

“A estrutura das compras é bastante diferente de acordo com os setores, com alguns deles a concentrarem as suas
compras na aquisição de bens, como é o caso dos Grossistas, Retalho, Energia e ambiente e Indústrias. Outros setores  registam uma maior concentração das compras no fornecimento de serviços, como os Transportes, os Serviços empresariais e os Serviços gerais”,  revela a análise.

O estudo conclui ainda que cinco subsetores são responsáveis por um terço do total da compra de bens, os Grossistas alimentar, o Retalho generalista, a Indústria equipamentos, o Retalho automóvel e a Indústria alimentar.  Praticamente a mesma percentagem corresponde ao fornecimento de serviços também de cinco subsetores, que são os serviços de apoio às empresas; construção e promoção de edifícios; transportes terrestres; indústria materiais e serviços gerais/saúde, desporto e bem-estar.

 

Grandes empresas são responsáveis por quase metade das compras

A Informa D&B revela que as 733 empresas de grande dimensão que existem no tecido económico nacional correspondem apenas a 0,2% do total, mas são responsáveis por 44% de todas as compras das empresas, incluindo bens e serviços, correspondendo a uma média de 162 milhões de euros por empresa.

Entre as grandes empresas, o setor das indústrias corresponde a um terço das empresas que realizam 34,5% das compras. Sendo que conjunto das grandes empresas e das médias empresas é responsável por dois terços da totalidade das compras no país. Ao todo, este conjunto totaliza 4.157 empresas, mas representa apenas 1,2% do tecido empresarial.

A entidade liderada por Teresa Cardoso de Menezes revela também que as compras no mercado interno representam 75% do valor total das compras e todos os setores efetuam a maior parte das suas compras no mercado doméstico.

Os setores das Indústrias, Grossistas e Tecnologias de informação e comunicação são os que realizam mais compras
nos mercados externos, embora essas compras não atinjam os 40% em nenhum dos casos, conclui a análise.

Recomendadas

EDP procura startups mais inovadoras na área da energia

Elétrica lança a 7ª edição do Free Electrons em busca de startups inovadoras. Candidaturas decorrem até 28 de janeiro.

Mitos que bloqueiam progressão feminina e dificultam diversidade de género nas empresas

Relatório da Mazars e Gender Balance Observatory desmistifica mitos em contexto laboral, entre os quais a falta de ambição e a aversão ao risco entre as mulheres, a questão da maternidade ou das quotas e a meritocracia.

Mercado automóvel cresce 1,8% entre janeiro e novembro, mas muito longe dos números pré-pandemia

Dados da ACAP revelam que em termos globais, o mercado automóvel regista um crescimento de 1,8% entre janeiro a novembro de 2022, face a igual período do ano anterior. De referir que 11,1% dos veículos ligeiros de passageiros novos são elétricos (BEV).
Comentários