Compromisso em Paris: Clima desafia empresas francesas

As 39 empresas envolvidas no compromisso do clima planeiam investir, entre 2016 e 2020, pelo menos 45 mil milhões de euros em projetos industriais e Investigação e Desenvolvimento (I&D) dedicados às energias renováveis, à eficiência energética e a tecnologias com baixas emissões de carbono.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Durante o mesmo período de tempo, planeiam ainda promover o financiamento bancário e através de fundos, de, pelo menos, 80 mil milhões de euros, para projetos destinados à luta contra as alterações climáticas.

O compromisso antevê ainda investimentos na ordem dos 15 mil milhões de euros em novas capacidades nucleares e investimentos na ordem dos 30 mil milhões de euros em gás natural como solução de transição energética ao longo dos próximos 5 anos.

No grupo das 39 que se comprometeram com os desafios climáticos estão as maiores empresas de França, responsáveis por um total de 4,4 milhões de pessoas em todo o mundo e gerando faturação no valor de 1.200 mil milhões de euros.

O compromisso climático empresarial francês representa o empenho das empresas em tornar o COP21 um sucesso, bem como em limitar o aquecimento global a 2°C. O compromisso enfatiza ainda o papel predominante das empresas na liderança da luta por um mundo mais sustentável.

O documento que consubstancia o compromisso refere que as empresas signatárias estão a dar passos concretos na redução da sua pegada ambiental no âmbito das emissões de carbono, designadamente através da utilização de soluções de eficiência energética ativa e passiva; recorrendo a energias renováveis, nomeadamente hídrica, eólica e solar; e reduzindo, sistematicamente, as emissões de gases de efeito estufa ao longo do ciclo de vida dos seus produtos. O desenvolvimento de novos materiais e soluções com reduzidos níveis de carbono; a redução do desperdício alimentar e de embalagens; e a adoção de estratégias de investimento a longo prazo que promovam ativamente a transição energética são, segundo estas empresas, outras das medidas.

OJE

Recomendadas

EDP procura startups mais inovadoras na área da energia

Elétrica lança a 7ª edição do Free Electrons em busca de startups inovadoras. Candidaturas decorrem até 28 de janeiro.

Mitos que bloqueiam progressão feminina e dificultam diversidade de género nas empresas

Relatório da Mazars e Gender Balance Observatory desmistifica mitos em contexto laboral, entre os quais a falta de ambição e a aversão ao risco entre as mulheres, a questão da maternidade ou das quotas e a meritocracia.

Mercado automóvel cresce 1,8% entre janeiro e novembro, mas muito longe dos números pré-pandemia

Dados da ACAP revelam que em termos globais, o mercado automóvel regista um crescimento de 1,8% entre janeiro a novembro de 2022, face a igual período do ano anterior. De referir que 11,1% dos veículos ligeiros de passageiros novos são elétricos (BEV).