PremiumConcursos públicos para a ferrovia voltam à estaca zero

Em dois concursos para a modernização da rede ferroviária, incluindo um troço da linha da Beira Alta, o júri propôs a exclusão de todos os concorrentes. Construtoras criticam preços ‘irrealistas’ da IP, que terá de lançar novos concursos. Mais atrasos e custos.

Os júris dos concursos públicos para as empreitadas de modernização do troço da linha da Beira Alta entre a Pampilhosa e Santa Comba Dão e construção da concordância da Mealhada, assim como para a estabilização dos taludes na linha de Leixões e concordância de São Gemil, a cujos relatórios o Jornal Económico teve acesso, decidiram propor a exclusão de todas as propostas presentes a concurso, quer num caso, quer no outro.

Desta forma, os dois processos vão ter de voltar à estaca zero, levando ao lançamento por parte da IP – Infraestruturas de Portugal de novos concursos públicos para estas empreitadas e, consequentemente, ao arrastamento e encarecimento do projeto de renovação da rede ferroviária nacional.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários