Condé Nast recomenda 27 hotéis portugueses no seu guia de luxo para 2022

Numa lista composta por 32 países, Portugal fica apenas atrás de Inglaterra (49) com o maior número de unidades hoteleiras recomendadas pela publicação britânica.

Palácio Estoril Hotel Golf & Wellness

Portugal conta com 27 unidades hoteleiras recomendadas no guia ‘Luxury Hotels 2022’ da publicação britânica Condé Nast Johansens.

Este guia engloba 188 hotéis de luxo numa lista composta por 32 países e ilhas, sendo que Portugal fica apenas atrás de Inglaterra (49 hotéis) como o maior número de unidades hoteleiras recomendadas pela publicação britânica.

Com onze hotéis, a região de Lisboa e Vale do Tejo lidera esta lista de 27 unidades seguida pela cidade do Porto com dez.

Além de Portugal, entre os outros países e ilhas estão: Antígua (1), Argentina (1), Barbados (1), Belize (3), Brasil (9), Ilhas Virgens Britânicas (1), Canadá (2), Qatar (1), Colômbia (5), Costa Rica (3), Escócia (13), Espanha (14), Estados Unidos (9), França (3), País de Gales (3), Grécia (2), Inglaterra (49), Ilhas do Canal (1), Ilhas Turcas e Caicos (3), Itália (22), Jamaica (1), Maldivas (2), Malta (1), Marrocos (2), Peru (1), República da Namíbia (1), Roménia (1), Santa Lucia (1), Turquia (3), Tunísia (1) e Zimbabué (1).

Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários