Condóminos defendem legislação para Alojamento Local mais “conciliadora”

A Associação Nacional dos Profissionais de Administração de Condóminos (ANPAC) defendeu hoje a necessidade de a nova legislação sobre Alojamento Local (AL) ter uma natureza “mais conciliadora” e um “maior equilíbrio entre todas as partes interessadas”.

Cristina Bernardo

A tomada de posição da ANPAC, em comunicado, surge na sequência da decisão proferida em 22 de março pelo Supremo Tribunal de Justiça (STJ) que uniformiza a jurisprudência sobre a possibilidade de coexistirem, num mesmo prédio, habitação permanente e habitação temporária para fins turísticos.

A decisão, na prática, implica a proibição de instalar alojamento temporário em frações autónomas destinadas a habitação permanente num prédio de propriedade horizontal.

“Reconhecendo que possa ocorrer um conflito de interesses, não parece adequado que a resolução se faça partindo da genérica afirmação da ilicitude da exploração de alojamento local em fração autónoma destinada a ‘habitação’, devendo antes, ser resolvida a questão de forma mais consentânea e proporcional, na falta de prévia e específica proibição desta atividade, em função da ponderação de situações concretas e individualizadas, e mediante a subsequente invocação de um uso efetivo que ponha em causa a integridade do imóvel ou os direitos de personalidade dos condóminos”, defende o presidente da ANPAC, citado na nota.

Nesse sentido, Alexandre Mendes considera “fundamental reanalisar a questão na ótica dos diversos interesses e em todas as suas dimensões, e esclarecer, por via de lei, se o alojamento local constitui ou não um fim diverso de habitação”.

No entendimento da associação, a reavaliação vai permitir “estabelecer um regime conciliador” entre todas as partes interessadas, nomeadamente condóminos habitacionais e temporários, investidores e comunidade local, procurando “um equilíbrio entre o direito de não perturbação dos condóminos e o direito do proprietário à exploração do Alojamento Local”.

Assim, entre as propostas da ANPAC está a deliberação para incremento da comparticipação das frações em regime de AL não estar sujeita à “não oposição dos condóminos” (prevista no art.º 1424º do Código Civil), mas a uma deliberação de maioria dos presentes, desde que prevista na ordem de trabalhos.

Outra proposta é que a percentagem para a comparticipação extraordinária dos AL nos condomínios seja fixada por lei (como os 30% já legalmente previstos), “podendo ser excedida quando devidamente fundamentadas as despesas adicionais que o condomínio tenha de incorrer”.

“Na solução atual, é demasiado penoso para os condóminos terem de fundamentar e quantificar o incómodo e utilização excecional das áreas comuns”, sublinha a ANPAC.

A ANPAC defende, igualmente, medidas como a proibição de instalação de cofres de chaves nas entradas dos edifícios, por questões de segurança e estética, e que a placa “AL” seja afixada na própria porta da fração.

É defendida ainda a criação da obrigatoriedade de uma caução para o incumprimento das regras de utilização das partes comuns e a limitação do número de hóspedes em apartamento.

Já para o cancelamento do AL, a ANPAC defende que a maioria, não seria fixada em 50% do total do prédio, mas pela simples maioria dos presentes, desde que o tema conste obrigatoriamente da ordem de trabalhos da assembleia.

“Conclui-se que há uma necessidade extrema de regulamentação da atividade do AL, que harmonize as desvantagens e os benefícios, sem esquecer os direitos adquiridos, o impacto no setor imobiliário, no turismo, na economia familiar e no desenvolvimento económico do país”, lê-se ainda na nota.

Na sexta-feira, o parlamento chumbou uma proposta do Bloco de Esquerda (BE) que pretendia proteger o direito à habitação e outra da Iniciativa Liberal (IL) para clarificar o regime jurídico de exploração de alojamentos locais.

Votaram a favor da proposta bloquista o BE e o Livre, contra estiveram PS, PSD, Chega e IL, e abstiveram-se o PCP e o PAN.

Já a proposta da IL teve os votos favoráveis do Chega e dos liberais, mas votaram contra o PS, o PSD, o PCP, o BE e o Livre, enquanto o PAN se absteve.

Recomendadas

Assinala-se esta segunda-feira o Dia Europeu do Ex-Fumador

O Dia Europeu do Ex-Fumador é celebrado a 26 de setembro, em todos os Estados-Membros da UE, com o objetivo de felicitar todos os que se tornaram ex-fumadores ou que deram os primeiros passos para deixar de fumar, bem como sensibilizar o público para questões de saúde.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Costa anuncia reforço de 1100 efetivos para os quadros da PJ até 2026 (com áudio)

António Costa fez este anúncio na parte final do seu discurso na cerimónia de aceitação de 97 novos inspetores da PJ, em Lisboa, numa sessão em que também usaram da palavra o diretor nacional desta polícia, Luís Neves, e a ministra da Justiça, Catarina Sarmento e Castro.
Comentários