Confagri defende que é altura de repensar o Pacto Ecológico e a Estratégia do Prado ao Prato

A confederação de agricultores tem agendada para a próxima segunda-feira, dia 14 de março, uma reunião com a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, tendo a situação da seca em Portugal e o ponto da situação sobre a Ucrânia como os temas da agenda.

A Confagri – Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola defende que o Ministério da Agricultura deve repensar o Pacto Ecológico e a Estratégia do Prado ao Prato.

A propósito da reunião que a Confagri tem agendada para a próxima segunda-feira, dia 14 de março, com a ministra da Agricultura, o presidente da confederação, Manuel dos Santos Gomes, advoga que “o Pacto Ecológico e a Estratégia do Prado ao Prato devem ser repensados, o Plano Estratégico para a Agricultura, a aplicar entre 2023 e 2027, deve ser ajustado, valorizando a produção nacional, que as medidas de cariz ambiental devem ser suspensas ou minoradas e que a PARCA – Plataforma de Acompanhamento das Relações na Cadeias Agroalimentar deve ser repensada e reequilibrada a distribuição das mais valias, com mecanismos que protejam a produção nacional e o rendimento dos produtores”.

“Estas são razões mais que suficientes para que o futuro Ministério da Agricultura venha a tutelar também as políticas públicas referentes à alimentação”, assinala o presidente da Confagri.

A reunião da próxima segunda-feira com Maria do Céu Antunes Lisboa, tem uma agenda com dois temas principais – a situação da seca em Portugal e o ponto de situação sobre a Ucrânia.

“A reunião realiza-se num período de grande complexidade económica e social com imprevisíveis consequências para a agricultura, para a produção nacional e para a economia das famílias portuguesas. Vivemos numa conjuntura condicionada por uma guerra em que os preços das matérias-primas, as cadeias de abastecimento, os combustíveis e os preços ao consumidor passam por um período inflacionado de controle indefinido”, refere um comunicado da Confagri.

De acordo com os responsáveis desta confederação de agricultores, “esta é a oportunidade para se repensar algumas políticas públicas e as estratégias que vêm sendo seguidas, nomeadamente as referentes à desvalorização da produção nacional, à fobia agro-ambientalista, à distribuição das mais-valias ao longo da cadeia agroalimentar, à origem das matérias-primas e da energia importadas”.

“A atual crise veio pôr a nu muitos dos estrangulamentos, equívocos e a necessidade de ajustamento e adequação de políticas públicas aplicáveis à agricultura europeia e nacional”, conclui o referido comunicado da Confagri.

Recomendadas

Ministra da Agricultura: direções regionais não vão ser extintas

Maria do Céu Antunes esclareceu que as direções regionais de agricultura não vão ser extintas no âmbito da transferência de competências para as comissões de coordenação e desenvolvimento regional.

Seca: Barragem de Mirandela está a perder a pouca água que tem para regadio

O presidente da Associação de Beneficiários do Perímetro de Rega de Vale Madeiro, Emanuel Batista, disse hoje que a barragem de regadio do distrito de Bragança em situação mais crítica está a perder a pouca água que tem.

Agricultores acusam governo de matar as Direções Regionais de Agricultura e desmantelar o sector

CAP e CONFAGRI estão incrédulas com a decisão do Governo de extinguir as Direções Regionais de Agricultura e transferir as suas competências para as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional. “É uma medida abusiva, absurda, antidemocrática e inaceitável”, afirma a histórica estrutura liderada por Eduardo Oliveira e Sousa.
Comentários