Confederações patronais aceitam salário mínimo de 540 euros com redução da TSU

Confederações admitem aumento desde que seja garantida uma redução de 1% da TSU a cargo dos empregadores para os trabalhadores que têm remuneração mínima.

Angel Navarrete/Bloomberg

As quatro confederações patronais admitem o que salário mínimo nacional poderá aumentar para 540 euros, na condição de lhes ser garantida uma diminuição de 1% na Taxa Social Única (TSU) a cargo dos empregadores para os trabalhadores que receberem o salário mínimo.

Os empregadores enviaram ao Governo uma proposta em que consideram que os critérios de atualização de atualização do salário mínimo possibilitam um aumento de 530 para 538 euros, e também, para os 540 euros em janeiro do próximo ano, caso se implementem medidas que atenuem os efeitos do aumento na competitividade das empresas.

Recomendadas

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.

Espanha e Alemanha reúnem-se em cimeira pela primeira vez desde 2013

Espanha e Alemanha celebram na quarta-feira a primeira cimeira bilateral em nove anos, que coincide com um momento de sintonia entre os dois executivos em projetos como o do gasoduto para ligar a Península Ibérica à Europa central.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.
Comentários