Conferência. ‘O Orçamento do Estado para 2022’ (com áudio)

O evento decorre esta sexta-feira na Culturgest e terá o Jornal Económico como media partner.

Cristina Bernardo

A Ordem dos Economistas em parceria com o Intitute of Public Policy realiza na Culturgest esta sexta-feira, 20 de maio, a conferência ‘O Orçamento do Estado para 2022’, da qual o Jornal Económico será media partner.

O evento arranca com a intervenção do Bastonário da Ordem dos Economistas, António Mendonça, a qual se seguirá uma intervenção do ministro das Finanças, Fernando Medina.

Pelas 11h00 terá início o painel intitulado ‘Política Orçamental e Alternativas para o Futuro’, moderado pelo subdiretor do Jornal Económico, Ricardo Santos Ferreira. Entre os oradores estarão Paulo Trigo Pereira, presidente do Institute of Public Policy – Lisbon, Helder Reis, assessor económico do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a deputada da Assembleia da República, Jamila Madeira e da vice-reitora da Universidade Católica, Margarida Mano.

Após o debate que terá a duração de 90 minutos, António Rebelo de Sousa, membro da Direção da Ordem dos Economistas fará uma breve intervenção.

O encerramento desta conferência será feita pelo Governador do Banco de Portugal, Mário Centeno.

Recomendadas

MNE espera que conferência da ONU dê “ímpeto decisivo” para mudar relação com o mar

A posição foi transmitida na cerimónia de hastear da bandeira das Nações Unidas (ONU), na Altice Arena, em Lisboa, assinalando a realização da segunda Conferência dos Oceanos da ONU, coorganizada pelos governos de Portugal e do Quénia.

BIS: Inflação alta exige medidas decisivas e atempadas dos bancos centrais

A “prioridade dos bancos centrais é recuperar uma inflação baixa e estável. Ao fazê-lo, devem procurar minimizar o impacto na atividade económica, salvaguardando assim a estabilidade financeira”, defende o Bank for International Settlements (BIS).

Proteção de Dados avisa que proposta de lei dos metadados fere direitos fundamentais

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) critica, num parecer, o facto de o acesso aos metadados por parte do Ministério Público e polícias não estar sujeito a controlo por parte de um juiz de instrução.
Comentários