Confiança dos investidores alemães inalterada em dezembro, e imune a riscos políticos na Europa

Para o presidente do instituto alemão ZEW. Achim Wambach, as eleições na Europa parece terem ficado para segundo plano entre os investidores alemães.

O índice ZEW, que mede as expectativas económicas na Alemanha, maior economia da Europa, manteve-se inalterada em dezembro face ao mês anterior, mas ficou ligeiramente abaixo das previsões dos analistas consultados pela Reuters.

Esse índice ficou nos 13,8 pontos, face aos 14 pontos na sondagem.

Em relação à avaliação dos investidores alemães sobre as condições atuais da economia, o resultado superou as expetativas – subindo para 63,5 pontos de 58,8 em novembro, superando a projeção dos analistas da Reuters, que era de 59,1 pontos.

O presidente do ZEW, Achim Wambach, disse que a avaliação geral dos investidores foi bastante positiva. “Isto é sustentado pelos números positivos de crescimento do PIB recentemente publicados para a zona do euro no terceiro trimestre [cresceu 0,3%]”, disse Wambach.

“Os riscos económicos decorrentes da situação tensa no setor bancário italiano, bem como os riscos políticos das próximas eleições na Europa parecem ter ficado para segundo plano”, acrescentou o presidente do instituto ZEW.

Recomendadas

Fitch: Crise energética e custo de financiamento conduzem a recessão na Europa Ocidental ainda este ano

A agência de rating estima que o crescimento real médio do PIB da região é de apenas 0,8% em 2023, significativamente abaixo dos 3,8% em 2022. “Acreditamos que a zona do euro entrará em recessão a partir do quatro trimestre de 2022”, acrescenta.

Circulação paga do Jornal Económico dispara 23% desde janeiro

A subida da circulação paga do Jornal Económico contraria a tendência do sector e deveu-se às assinaturas digitais, que tiveram um crescimento de 2,9%, mas também às vendas da edição impressa, que registaram um aumento de 19% face ao primeiro trimestre do ano. Este desempenho compara com a descida de 5,8% na circulação paga do líder de mercado, o “Jornal de Negócios”.

Governo alarga prazos de pagamento do IMI e do IUC para 2 de dezembro

“Não são devidos quaisquer juros ou penalidades associados a este alargamento dos prazos”, diz o Ministério das Finanças em comunicado. Em causa estão os “constrangimentos informáticos verificados temporariamente no Portal das Finanças na manhã de quarta-feira, 30 de novembro”. Prazo terminava ontem.
Comentários