Confiança empresarial na Alemanha sobe em abril após recuar em março

O índice de confiança empresarial para a Alemanha como um todo do instituto de investigação económica alemão ifo subiu para 91,8 pontos em abril contra 90,8 pontos no mês passado, naquela que é a pior leitura desde o início da pandemia da Covid-19.

A confiança das empresas aumentou ligeiramente em abril na Alemanha, depois ter caído no mês anterior, anunciou hoje o instituto de investigação económica alemão Ifo.

O índice de confiança empresarial para a Alemanha como um todo do instituto de investigação económica alemão ifo subiu para 91,8 pontos em abril contra 90,8 pontos no mês passado, naquela que é a pior leitura desde o início da pandemia da Covid-19.

A ligeira recuperação da confiança em abril deveu-se a um aumento das expectativas comerciais alemãs, com o subíndice correspondente a subir de 84,9 pontos em março para 86,7 pontos neste mês, refere o instituto, citado pela Efe.

Já os empresários alemães melhoraram, também ligeiramente, a sua avaliação da situação económica atual, com o subíndice correspondente a subir de 97,1 para 97,2 pontos.

“O sentimento na economia alemã estabilizou a um nível baixo”, referiu o presidente do ifo, Clemens Fuest, que destacou ainda o menor pessimismo nas expectativas empresariais.

“Após o impacto inicial do ataque russo, a economia alemã mostrou a sua capacidade de recuperação”, acrescentou.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Fórum Seguros: “Dinheiro gerado deve ser investido em fundos que contribuem para a neutralidade carbónica”

Sofia Santos sublinhou o papel que as seguradoras têm, tendo em conta os riscos de transição, para ajudar os seus clientes a incorporar os riscos climáticos através dos produtos apresentados.

Preços na produção industrial aumentaram mais de 24%

Segundo o INE, o resultado deveu-se à “evolução dos preços da Energia e dos Bens Intermédios”.
Comentários