Confirmada origem do maior surto de legionella: tudo começou na ADP

Hoje, o diretor geral da saúde revelou que as bactérias encontradas em doentes com legionella são semelhantes às detetadas numa torre de refrigeração da empresa Adubos de Portugal. A revelação foi feita durante um encontro da task force para lidar com a infeção por legionella que começou no dia 7 deste mês, em Vila Franca […]

Hoje, o diretor geral da saúde revelou que as bactérias encontradas em doentes com legionella são semelhantes às detetadas numa torre de refrigeração da empresa Adubos de Portugal.

A revelação foi feita durante um encontro da task force para lidar com a infeção por legionella que começou no dia 7 deste mês, em Vila Franca de Xira.

O presidente do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), também presente no encontro com os jornalistas, reiterou que “existe semelhança entre a ‘legionella’ encontrada numa das torres de refrigeração da empresa Adubos de Portugal” e a detetada nos doentes.

Contactada pela Lusa, a empresa Adubos de Portugal escusou-se a comentar o assunto.

Segundo um comunicado conjunto dos vários organismos que compõem esta task force, lido pelo diretor geral da Saúde, Francisco George, desde o início do surto registaram-se 336 casos de doença dos legionários, dos quais dez morreram.

O maior surto de sempre no nosso país, e o terceiro maior do mundo, resultou em 10 mortes e 336 pessoas infetadas.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Médicos dão prazo de duas semanas para Ministério da Saúde marcar reunião

“Já fizemos seguir o pedido de reunião ao senhor ministro [da Saúde, Manuel Pizarro] e solicitámos que essa reunião se desenvolva com a celeridade que deve e estabelecemos um limite para nas próximas duas semanas sermos convocados para essa reunião”, adiantou Noel Carrilho.

Número de trabalhadores em layoff clássico cai 6% em agosto

Os empregadores recorreram menos ao layoff clássico em agosto do que no mês anterior. Caiu 6% o número de trabalhadores abrangidos.

Teixeira dos Santos defende que aumentar pensões e Função Pública não alimentaria inflação

Em entrevista ao Público, o ex-ministro das Finanças Fernando Teixeira dos Santos não só não acredita que aumentar as pensões e os salários da Função Pública alimentaria a espiral inflacionista, como atira que o Governo tem de esclarecer melhor o argumento utilizado pelo Governo para limitar as atualizações regulares a que os pensionistas teriam direito.