Conheça algumas dicas para reequilibrar o seu orçamento familiar

Sem tentar perder qualidade de vida, procure alterar hábitos e comportamentos que ajudarão no combate à inflação.

A carne e o peixe aumentaram, as atividades extra dos filhos, o combustível e as idas ao restaurante estão cada vez mais caras.

Sem tentar perder qualidade de vida, procure alterar hábitos e comportamentos que ajudarão no combate à inflação.

A fatura alimentar tem um peso considerável no orçamento familiar, situando-se entre 35% a 40% do total das despesas. Os preços dos bens alimentares aumentaram fortemente, a dois dígitos, precedidos por um longo período de relativa estabilidade, o que leva a fundados receios de acréscimo de pobreza e dificuldades acrescidas, mesmo em famílias que antes não experienciavam tal quadro.

  • Faça um orçamento para a ida ao supermercado e procure cumpri-lo.
  • Pesquise preços e promoções. Aproveite descontos dos cartões de fidelização.
  • Compre fruta e legumes da época nas mercearias locais e defina refeições semanais, comprando de acordo com as necessidades e evitando desperdício.

Para cada uma das suas despesas, como seja com os serviços públicos essenciais, enumere estratégias de redução. Por exemplo, no que diz respeito a despesas de água, pode controlar mais fluxo das torneiras e diminuir a duração dos duches, e da eletricidade não deixar luzes ligadas e evitar ter utensílios em stand by são exemplos de alguns comportamentos que permitem gastar menos.

Analise, ainda, o número de contas bancárias que tem. Precisará mesmo de todas?

Se possível, opte pelos serviços mínimos bancários, poupando, assim, dezenas de euros em comissões.

Faça também uma análise qualitativa dos créditos que tem e pondere libertar- se de alguns. Por exemplo, quantos cartões de crédito detém? Paga anuidade? Avalie esta questão e reduza-os ao mínimo necessário.

Para quem tem crédito à habitação com taxa de juro variável, peça simulações para a eventualidade de transferir para a taxa fixa ou mista ou até para outro banco.

Se tiver um “pé-de-meia”, pondere amortizar alguns créditos se a taxa de juro das aplicações que detiver não compensarem a inflação e tiverem uma rentabilidade abaixo do juro que paga pelo empréstimo.

Verifique se não tem seguros duplicados ou com coberturas para eventuais riscos que poderão ser importantes. Faça uma pesquisa de mercado para reduzir eventuais prémios dos seguros.

Não se esqueça que outra forma de contrariar a inflação crescente passa por aumentar os seus rendimentos. Geralmente pensamos que para aumentar rendimentos temos que ter um segundo emprego. É verdade que esta é uma das formas de o fazer, mas não a única. Aumentar o rendimento significa ter mais dinheiro durante o mês e poderá consegui-lo através, por exemplo, da venda de artigos que já não usa ou rentabilizando os seus hobbies.

Quer saber mais? Contacte-nos

Conte com o apoio da DECO MADEIRA através do número de telefone 968 800 489/291 146 520, do endereço eletrónico deco.madeira@deco.pt. Pode também marcar atendimento via skype. Siga-nos nas redes sociais Facebook, Twitter, Instagram, LinkedIn e Youtube.

Recomendadas

Saiba que erros evitar na gestão das finanças pessoais

Faça um Plano Financeiro. Defina objetivos a curto, médio e longo prazo, mas que consiga cumprir. Quantifique-os e defina prazos. Calcule pequenas metas a curto prazo para os atingir e mantenha-se focado nesses objetivos, sem ser demasiado ambicioso.

PremiumEconomia abranda, mas desemprego resiste

A economia voltou a desacelerar no terceiro trimestre, mas o mercado de trabalho parece estar a resistir. Inflação já pressiona empregadores, mas desemprego mantém-se em níveis baixos.

Salários reais caem pela primeira vez neste século e deixam milhões de trabalhadores em dificuldades

Há milhões de trabalhadores em dificuldades: os salários reais têm caído, pelo que são precisas, avisa a OIT, medidas que protejam o poder de compra. Em Portugal, o Governo já ajustou, por exemplo, a trajetória do salário mínimo com essa intenção em mente.
Comentários