PremiumConhecer regras e gerir riscos é a chave em ‘compliance’

A II conferência da Abreu sobre este tema reuniu especialistas de multinacionais e vários advogados do escritório. Ética, lavagem de dinheiro, código de conduta, M&A e concorrência estiveram em cima da mesa.

«Compliance, a quanto obrigas». Este poderia ser o título de uma série internacional com dobragem em Português, numa altura em que há cada vez mais exigências dos profissionais a quem compete garantir que a empresa está em conformidade com requisitos regulamentares externos e política interna. Nos últimos dois anos, com normais mais robustas nesta matéria (com a Lei nº83/2017, de combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo; o Regulamento Geral da Proteção de Dados ou a Lei nº73/2017, que reforçou o quadro legislativo para prevenção do assédio), empresários, colaboradores, fornecedores e advogados tiveram de se adaptar, porque é obrigatório cumprir a lei e manter a boa imagem no mercado e perante os acionistas. A ideia foi lançada na II Conferência de Compliance da Abreu Advogados e o escritório liderado por Duarte d’Athayde tem um conselho: “Conheça as regras e conduza com cuidado. Cumprir compensa”. Em quatro painéis, os advogados expuseram os principais pontos que estão a movimentar esta área: a prevenção da lavagem de dinheiro e da corrupção; a avaliação dos riscos de uma transação em processos de fusões e aquisições; a implementação de códigos de conduta e de linhas de ética e as boas práticas concorrenciais.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Menezes Leitão perde reeleição, novo bastonário dos advogados será eleito em segunda volta

Os candidatos a bastonário dos advogados Paulo Pimenta e Fernanda de Almeida Pinheiro vão disputar a segunda volta na eleição para o cargo, entre 13 e 15 de dezembro, derrotando o incumbente e recandidato a bastonário Menezes Leitão.

“Falar Direito”. Renegociação de créditos? Eficácia vai depender do universo que temos pela frente”

Qual será o grau de eficácia do diploma que visa, essencialmente, regular o procedimento de renegociação entre as instituições de crédito e os respetivos clientes? Saiba a resposta do advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, no programa da plataforma multimédia JE TV.

“Falar Direito”. “Diploma da renegociação cria ónus sobre bancos que têm crédito à habitação”

O advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, explica quais são, na sua perspetiva, os dois principais problemas associados ao novo diploma relativo à renegociação de créditos.
Comentários