Conquistar o 4.º maior importador do mundo

Nos últimos cinco anos o número de empresas portuguesas a exportar para o Japão tem vindo sempre a aumentar.

Em 2015, o Japão registou o 3º maior produto interno bruto (PIB) mundial, a seguir aos EUA e à China. Em termos de estrutura produtiva, destaca-se o setor dos serviços (71,3% do PIB em 2015), com a indústria a pesar 27,5% e o setor agrícola 1,2% (os dados são estimativas, esclarece a AICEP).

A estrutura económica japonesa é composta por um estrato de grandes multinacionais, que se afirmaram mundialmente nas últimas décadas, e por uma enorme massa de pequenas empresas, que lhe conferem flexibilidade e inovação.

A indústria transformadora, um dos principais suportes da economia é, também, altamente diversificada. Os setores da eletrónica e automóvel, apesar do seu peso indiscutível na indústria e como motor das exportações, sofreram, um claro recuo.  Por outro lado, o Japão é um dos principais produtores de aço e de máquinas e ferramentas a nível mundial.

A economia japonesa está muito dependente do comércio internacional. Em 2015, o Japão foi o quarto maior exportador e importador a nível mundial. Em termos de importações, houve um acréscimo em 2012 (+3,6%, relativamente ao ano anterior), registando-se reduções em 2013 (variação percentual de -5,9%), em 2014 e em 2015 (variações percentuais, respetivamente, de -2,5% e -20,2%). A taxa média de crescimento anual foi de -6,3%. As importações atingiram 885,8 mil milhões de dólares em 2012 diminuindo para 648,5 mil milhões em 2015. A China é o principal fornecedor, representando 25,6% do montante global em 2015. Seguiram-se os EUA (10,9%), Austrália (5,6%), Coreia do Sul (4,3%) e os Emirados Árabes Unidos (3,8%).

No âmbito dos países da Europa, situaram-se nos vinte primeiros lugares do ranking de fornecedores, em 2015: a Alemanha (9º lugar, com um peso de 3,2% no total das importações), Rússia (12º lugar, com um peso de 2,5%), França (14º lugar), Itália (18º) e Suíça (20º).

O mercado do Japão assume uma posição modesta no contexto do comércio internacional português de bens e serviços.

De acordo com os dados do INE, o número de empresas portuguesas que exportam produtos para o Japão tem vindo a aumentar, passando de 649 em 2011 para 866 em 2015, num acréscimo de cerca de 33%.

No que se refere à estrutura das exportações, situaram-se na primeira posição, em 2015, os produtos alimentares, com 22,7% do respetivo total. Seguiram-se os agrupamentos de máquinas e aparelhos (17,9%), produtos químicos (17,2%), calçado (9,0%) e produtos agrícolas (7,6%). Os cinco primeiros grupos de produtos representaram, no todo, 74% do valor global das nossas vendas para o Japão.

 

Recomendadas

Portugal Exportador: Iniciativa 100% digital “supera expectativas”

Pedro Braga, diretor-geral adjunto da Lisboa Feiras Congressos e Eventos, diz ao JE que as empresas portuguesas aderiram ao novo formato e contabiliza uns expressivos 1.425 participantes nas sessões e o agendamento de cerca de 500 reuniões.

Portugal Exportador reinventa-se com formato híbrido e aposta digital

Evento, que se realiza a 18 de novembro, adiciona formato digital à presença física, encurtada devido às normas de segurança da Covid.

Players do turismo não antecipam retoma do setor antes do segundo semestre de 2021

Recuperaçã do turismo deverá ser lenta, depois da queda abrupta daquele que foi a alavanca das exportações portuguesas nos últimos anos, consideraram especialistas do setor durante o painel “Turismo: Motor das exportações”, no evento Portugal Exportador, do qual o Jornal Económico é media partner. 
Comentários