Conselheiro de Zelensky demite-se

Um comentário controverso sobre o ataque russo a uma zona residencial em Dnipro, levou a uma onda de protestos em todo o país.

Oleksiy Arestovych, conselheiro do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, demitiu-se esta terça-feira, após um comentário controverso sobre o ataque russo a Dnipro, que aconteceu dia 14 de janeiro.

Após o ataque russo, Oleksiy teceu o comentário de que o míssil russo que tinha caído sobre os edifícios residenciais em Dnipro tinha sido abatido pelas tropas ucranianas. Este comentário foi contra a versão oficial dada por Kiev e levantou assim uma onda de protestos pelo país.

O conselheiro pediu desculpa pelo comentário, afirmando que se tratou de uma falha pelo cansaço, afirmando que as forças ucranianas não tinham capacidade para destruir um míssil como aquele, um míssil Kh-22.

Os russos aproveitaram-se deste comentário para afirmarem que a Rússia não atingiu a zona residencial, mas que esta tinha sido atingida por um rocket ucraniano. Este ataque resultou num total de 44 mortos, 79 feridos e 20 pessoas ainda estão desaparecidas.

Esta terça-feira Oleksiy apresentou a sua carta de demissão na rede social Facebook, juntamente com um pedido de desculpas a todas as famílias, “apresento as minhas sinceras desculpas às vítimas e aos seus familiares, aos residentes de Dnipro e a todos os que foram profundamente magoados pela minha versão errónea da razão que levou um míssil russo a atingir um prédio residencial”.

O presidente Volodymyr Zelensky ainda não teceu comentários sobre a situação.

 

 

Recomendadas

Zelensky desloca-se hoje ao Reino Unido e vai encontrar-se com Sunak

Depois do Reino Unido, espera-se que Volodymyr Zelensky se desloque até Bruxelas amanhã, onde se irá voltar a encontrar com Charles Michel e Ursula von der Leyen. Ainda assim, a visita de quinta-feira ainda é uma incógnita, uma vez que a viagem deveria ter sido mantida em segredo.

Ucrânia: Portugal abriu 103 processos envolvendo crianças e três estão em famílias de acolhimento

Desde que começou a guerra na Ucrânia, a 24 de fevereiro do ano passado, Portugal atribuiu 14.082 proteções temporárias a menores ucranianos, representando cerca de 25% do total dos refugiados que fugiram do conflito.

Ucrânia: Programa levará crianças ucranianas a passar férias em Portugal

“Como um país seguro, Portugal foi visto como uma boa opção para organizar o programa, pelo que vamos preparar tudo para responder a esta necessidade, procurando que Portugal seja mais uma vez um espaço de acolhimento”, apontou Ana Mendes Godinho.
Comentários