Conselho Nacional de Saúde diz que Estado deve aumentar proteção social às crianças

As crianças em Portugal continuam a estar em maior risco de pobreza do que a população em geral pelo que deviam ser criados mecanismos para aumentar a sua proteção social, como se fez com os idosos, recomenda o Conselho Nacional de Saúde.

As crianças em Portugal continuam a estar em maior risco de pobreza do que a população em geral pelo que deviam ser criados mecanismos para aumentar a sua proteção social, como se fez com os idosos, recomenda o Conselho Nacional de Saúde.

No relatório “Gerações Mais Saudáveis”, que é hoje divulgado, o Conselho Nacional de Saúde dedica um capítulo à proteção social das crianças, vincando que, em Portugal, as crianças estão em maior risco de pobreza do que a população em geral.

“Nos últimos anos, registou-se um aumento das desigualdades no rendimento das crianças, sendo as crianças o grupo etário que está em maior risco de pobreza”, refere o documento.

Assim, os conselheiros do Governo recomendam que se criem mecanismos para aumentar a proteção social das crianças: “É necessário melhorar os mecanismos de proteção social das crianças, à semelhança do que ocorreu com os idosos, que viram, em 2009, a sua taxa de risco de pobreza ficar abaixo da observada na população em geral, fruto do complemento solidário para idosos”.

O Conselho Nacional considera que “os apoios sociais contribuíram para reduzir a pobreza nas crianças”, mas que ainda são “insuficientes para diminuir expressivamente o problema”.

Os dados de 2016 mostram que a taxa global de risco de pobreza, após transferências sociais, foi de 20,7% nas crianças (enquanto nos idosos foi de 18,3%). Os apoios contribuíram para uma redução da pobreza infantil em 8,3 pontos percentuais.

O relatório recorda que, entre 2008 e 2013, Portugal “foi dos países onde as crianças mais pobres mais se distanciaram da média de todas as crianças”.

“Em 2013, resultado da crise económica, apenas 57% das crianças entre os 0 e os 14 anos provinham de famílias em que todos os adultos estavam empregados. Em 2008, este valor era de 64%, tendo-se regressado a esta percentagem em 2014”, assinala o documento do Conselho Nacional de Saúde.

Recomendadas

Diretor da urgência do Santa Maria alerta para falhas no encaminhamento de doentes

O diretor do serviço de urgências do Hospital de Santa Maria alertou hoje para falhas na rede de referenciação dos serviços de urgência, que encaminham demasiados doentes para aquele serviço quando há alternativas, agravando a pressão sentida.
médicos

1,4 milhões de portugueses não têm médico de família

Este valor corresponde sensivelmente a um sétimo do total de pessoas inscritas no Serviço Nacional de Saúde (SNS), segundo o jornal “Público”.

SNS24 atendeu em novembro 194 mil chamadas e encaminhou 56 mil doentes para urgências

Apesar deste aumento de chamadas para o Centro de Contacto do Serviço Nacional de Saúde (808 24 24 24), estes números ainda estão abaixo dos picos do período pandémico, referem os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) numa resposta enviada à Lusa.
Comentários