Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, Ministério da Educação e associações assinam protocolo para apoio à educação financeira nas escolas

Foi hoje assinado o “Protocolo de cooperação para a preparação de materiais didático-pedagógicos de apoio ao Referencial de Educação Financeira”, entre o Conselho Nacional de Supervisores Financeiros (Banco de Portugal, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e Instituto de Seguros de Portugal), o Ministério da Educação e Ciência e associações do setor financeiro (APB – […]

Foi hoje assinado o “Protocolo de cooperação para a preparação de materiais didático-pedagógicos de apoio ao Referencial de Educação Financeira”, entre o Conselho Nacional de Supervisores Financeiros (Banco de Portugal, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e Instituto de Seguros de Portugal), o Ministério da Educação e Ciência e associações do setor financeiro (APB – Associação Portuguesa de Bancos; APS – Associação Portuguesa de Seguradores; APFIPP – Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios e ASFAC – Associação de Instituições de Crédito Especializado). O protocolo foi assinado no âmbito da implementação do Plano Nacional de Formação Financeira.

O protocolo tem como objetivo a elaboração, edição e impressão de materiais didático-pedagógicos que apoiem professores e alunos na abordagem aos temas de formação financeira previstos no Referencial de Educação Financeira, elaborado em conjunto pelos supervisores financeiros e pelo Ministério da Educação e Ciência e adotado, em 2013, por este Ministério.

A preparação destes materiais didático-pedagógicos visa complementar as ações de formação de professores desenvolvidas pela Direção-Geral da Educação do Ministério da Educação e Ciência com a colaboração dos supervisores financeiros, tendo em vista a implementação do Referencial de Educação Financeira nas escolas.

A concretização do protocolo começará pelo desenvolvimento de materiais para o primeiro ciclo do ensino básico, prevendo-se que estes sejam testados através de uma experiência-piloto a realizar no ano letivo de 2015/2016 com uma amostra de escolas representativa do universo educativo.

O Ministério da Educação e Ciência validará a adequação pedagógica e curricular dos materiais, participará na sua elaboração e será também responsável pela promoção dos mesmos junto das escolas. Os supervisores financeiros e as associações colaborarão na avaliação da componente técnica dos materiais e na sua distribuição, disponibilizando-se estas últimas para apoiarem o financiamento da sua edição e impressão. O Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, através da Comissão de Coordenação do Plano Nacional de Formação Financeira, coordenará o desenvolvimento dos materiais.

A assinatura deste protocolo reflete o compromisso dos supervisores financeiros, do Ministério da Educação e Ciência e das associações do setor financeiro com o Plano Nacional de Formação Financeira e a importância estratégica atribuída à integração da formação financeira nas escolas.

Referencial de Educação Financeira

O Referencial de Educação Financeira para a educação pré-escolar, os ensinos básico e secundário e para a educação e formação de adultos (“Referencial de Educação Financeira”) foi preparado no âmbito de uma colaboração entre os supervisores financeiros e o Ministério da Educação e Ciência, através da Direção-Geral da Educação e da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, e aprovado em maio de 2013 pelo Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário.

O Referencial de Educação Financeira é o documento orientador para a implementação da educação financeira em contexto educativo e formativo e estabelece os conhecimentos e capacidades considerados essenciais para as crianças e os alunos, na educação pré-escolar, nos 1.º, 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e no ensino secundário.

OJE

Recomendadas

Albergaria investe 3,7 milhões de euros na zona industrial para captar investimento e criar emprego

O município “tem realizado um forte investimento no desenvolvimento económico, dinamizando o sector empresarial e a economia local” nos últimos anos, segundo António Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha.

SIC: Alargamento da dedução dos juros da habitação em sede de IRS poderá abranger mais de 660 mil famílias

Segundo a SIC Notícias, se a medida for incluída no Orçamento do próximo ano, como se espera, poderá abranger mais de 660 mil famílias. 

Escalões do IRS deverão subir entre 3,53% e 4,43%

Para já, pouco se sabe em relação ao Orçamento de Estado do próximo ano. O Governo esteve reunido ontem para aprovar a proposta em Conselho de Ministros extraordinário e o ministro das Finanças tem reuniões marcadas com os partidos com assento parlamentar na sexta-feira.