Consolidação orçamental tem de continuar por vários anos, avisa Moody’s

A Moody’s, que continua a atribuir uma nota de não investimento a Portugal, alertou que a consolidação orçamental “tem de continuar por vários anos” para garantir que a dívida pública entra numa “trajetória clara” de queda. Numa nota divulgada sobre Portugal, que não inclui uma decisão de rating, a agência de notação financeira afirma que […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A Moody’s, que continua a atribuir uma nota de não investimento a Portugal, alertou que a consolidação orçamental “tem de continuar por vários anos” para garantir que a dívida pública entra numa “trajetória clara” de queda.

Numa nota divulgada sobre Portugal, que não inclui uma decisão de rating, a agência de notação financeira afirma que a situação orçamental de Portugal se deteriorou significativamente nos últimos anos, sobretudo devido ao “forte aumento do rácio da dívida pública” para os 130% do Produto Interno Bruto (PIB) no final de 2014, mas sublinha que “foi feita uma consolidação orçamental substancial” e que “o Governo está fortemente comprometido em reduzir ainda mais o défice”.

Esperando que o défice fique nos 3% do PIB este ano, acima dos 2,7% apontados pelo Governo, a Moody’s alerta que “a consolidação orçamental vai ter de continuar por vários anos para colocar a dívida numa trajetória clara de queda”.

A Moody’s refere que a nota “Ba1”, atribuída a 25 de julho de 2014 e que a agência de notação financeira mantém, reflete “os níveis de vida relativamente altos do país, a economia diversificada e as instituições fortes”, aspetos que “contribuíram para a implementação bem-sucedida” do programa de resgate, destacando também “a forte consolidação orçamental” e as “amplas reformas estruturais” realizadas nesse período.

No entanto, a instituição aponta como aspeto negativo “uma perspetiva de crescimento apenas moderada”, tendo em conta que “é provável que os elevados níveis de endividamento do setor privado continuem a restringir a atividade económica”.

Quanto às reformas estruturais, a instituição considera que estas “têm um impacto positivo no crescimento económico”, embora “isto seja difícil de quantificar nesta fase”.

Na avaliação de riscos, a Moody’s destaca duas áreas principais: por um lado, os riscos legais e políticos e, por outro, o setor bancário.

“Os riscos legais e políticos relacionados com uma consolidação orçamental sustentada e assente na despesa continuam significativos”, escreve a agência de rating, referindo que o Tribunal Constitucional “rejeitou repetidamente cortes na despesa propostos pelo Governo” e que “é incerto que haja um amplo consenso político sobre como realizar a consolidação nos próximos anos”.

Em segundo lugar, a Moody’s realça que “o setor bancário continua a ser fraco, com elevados níveis de crédito malparado e baixa rentabilidade”.

Na nota divulgada, a Moody’s não altera o rating atribuído a Portugal, que é de “Ba1”, o nível mais alto de ‘lixo’ e também mantém as perspetivas estáveis, o que significa que não prevê que haja alterações da nota no curto prazo.

No entanto, a agência de notação financeira escreve que “a combinação” de todos estes fatores coloca Portugal num intervalo de rating de Baa1-Baa3, níveis que já são considerados de investimento, esclarecendo que as suas notas “incorporam as expectativas sobre futuras métricas e o desenvolvimento de riscos que podem diferir dos implícitos ao intervalo de rating”.

“O processo [de atribuição] de rating é deliberativo e não mecânico, o que quer dizer que depende de comparações entre pares e que deve deixar margem para ter em conta fatores de risco excecionais, o que pode fazer com que o rating atribuído esteja fora do intervalo de rating indicativo”, acrescenta a Moody’s.

A agência de notação financeira afirma que a nota atribuída a Portugal pode ser cortada “se o compromisso do atual ou do próximo Governo com a consolidação orçamental abrandar significativamente, pondo em risco a sustentabilidade da trajetória da dívida pública”, e destaca ainda como pressão no sentido negativo um eventual “reaparecimento de um ‘stress’ elevado nos mercados financeiros e de dívida na zona euro”.

Por oposição, a Moody’s indica que pode subir a nota de Portugal “se a consolidação orçamental e a redução da dívida continuarem a um ritmo relativamente forte e se houver indicações claras de que isso vai ser mantido além da atual legislatura”.

Um crescimento económico “significativamente mais forte” do que o esperado “também seria benéfico” para o rating, uma vez que seria sinal de que “as reformas estruturais extensas implementadas ao longo dos últimos três anos estão a dar frutos” e a permitir um crescimento mais elevado e sustentado, o que teria “efeitos positivos na trajetória da dívida”.

OJE

Recomendadas

União Europeia, G7 e Austrália limitam barril de petróleo russo a 60 dólares

Os 27 estados-membros da UE chegaram a acordo, esta sexta-feira, no estabelecimento de um teto máximo para o preço do petróleo russo nos 60 dólares por barril. Os sete países mais industrializados do mundo (G7) e a Austrália juntam-se na decisão.

Imigrantes do Bangladesh denunciam extorsão para obter vistos para Portugal

Um dos problemas para os bengalis está no facto de não existir representação diplomática portuguesa no seu país, o que os força a terem que recorrer à vizinha Índia. Entre Daca, capital do Bangladesh, e Nova Deli, capital da Índia, distam mais de 1.800 quilómetros.

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.